Craque Imortal – Figueroa

Image

Nascimento: 25 de Outubro de 1946, em Valparaíso, Chile.

Posição: Zagueiro

Clubes: Santiago Wanderers-CHI (1963 e 1965-1966), Unión La Calera-CHI (1964), Peñarol-URU (1967-1971), Internacional-BRA (1971-1976), Palestino-CHI (1977-1980), Fort Lauderdale Strikers-EUA (1981) e Colo-Colo-CHI (1981-1982).

 

Principais títulos por clubes:

1 Recopa dos Campeões Mundiais (1969) e 2 Campeonatos Uruguaios (1967 e 1968) pelo Peñarol.

2 Campeonatos Brasileiros (1975 e 1976) e 6 Campeonatos Gaúchos (1971, 1972, 1973, 1974, 1975 e 1976) pelo Internacional.

1 Campeonato Chileno (1978) e 1 Copa do Chile (1977) pelo Palestino.

 

Principais títulos individuais:

Jogador Mundial do Ano da IFFHS e da FIFA: 1976

Eleito para a Equipe das estrelas da Copa do Mundo da FIFA: 1974

Futebolista sul-americano do ano – El Mundo (VEN): 1974, 1975 e 1976

Bola de Prata da Revista Placar: 1972, 1974, 1975 e 1976

Bola de Ouro da Revista Placar: 1976

Defensor sul-americano do ano – El Mundo (VEN): 1972 e 1977

Melhor Jogador do Campeonato Uruguaio: 1967 e 1968

Melhor Jogador chileno da história pela IFFHS

8º Melhor Jogador sul-americano do século XX pela IFFHS

37º Melhor Jogador do Mundo do século XX pela IFFHS

FIFA 100: 2004

Eleito para a Equipe de Futebol da América do Sul do século XX

Eleito entre os melhores 50 jogadores da história pela revista “World Soccer”

Nomeado capitão em todas as equipes por onde passou

 

“O dono da área”

Don Elías. El Coloso. Gran Capitán. El Dios de Beira Rio. Gran Mariscal. Apelidos e adjetivos dos mais variados tipos serviram para tentar denominar o melhor jogador da história do futebol chileno, o zagueiro Elías Ricardo Figueroa Brander, ou simplesmente Figueroa. Dono de um talento primoroso e impecável dentro da área, o craque que brilhou em seu país, no Peñarol e, principalmente, no Internacional, é sempre lembrado como o maior zagueiro do futebol sul-americano na década de 70 e também do século XX. E foi mesmo. Elegante, técnico e capaz de usar toda sua raça e força quando preciso, Figueroa marcou época, foi o maior ídolo da história do Internacional, ao lado de Falcão, capitão por onde passou e exemplo de liderança no esporte. Presente em dezenas de listas de grandes esquadrões ou de seleções do século, Figueroa foi gênio, craque e “autoritário”, a ponto de deixar para sempre sua frase registrada: “A área é minha casa. Nela, só entra quem eu quero.” Falou e disse, capitão! É hora de relembrar.

 

Adulto precoce

Image

Tudo na vida de Figueroa, sejam as alegrias ou os desafios, começou cedo. Bem cedo. Entre os dois e sete anos de idade, o garoto sofreu vários problemas de coração e asma, que o proibiram de realizar atividades físicas. Aos 11, teve um princípio de poliomielite, que o obrigou, veja só, a ter de reaprender a andar. Depois de três anos, aos 14, Figueroa conseguiu superar as adversidades e começou a treinar na cidadezinha de Quilpué, jogando como meia-direita. Aos 15, passou num teste no Santiago Wanderers, onde começou a jogar como zagueiro central ao invés de meia-direita. A mostra de sua qualidade seria conhecida em 1962, quando o jovem integrou a equipe juvenil do Santiago Wanderers em um amistoso contra a seleção brasileira que seria bicampeã mundial. Todos ficaram impressionados com o garoto de 15 anos que esbanjou personalidade e categoria perante craques como Pelé, Nilton Santos e Garrincha. Mesmo com o desempenho formidável, Figueroa não conseguiu tirar da zaga da equipe titular Raúl Sanchez, e foi vendido ao Union Calera, também do Chile.

Figueroa começou como jogador profissional em 1964 e pôde demonstrar seu talento como titular, despertando novamente o interesse do Wanderers, que o contratou em 1965. Naquele mesmo ano, fez sua estreia na seleção do Chile e conseguiu, com apenas 19 anos, uma vaga no time titular que disputou a Copa do Mundo de 1966. Mesmo com a seleção chilena eliminada na primeira fase, Figueroa foi considerado o maior jogador do time na competição, despertando a atenção e admiração de todo mundo.

 

Crescendo a cada dia

Image

Depois da Copa, o Wanderers ficou pequeno demais para o talento de Figueroa (que, para rechaçar sua precocidade, já era casado…). Muitos clubes tentaram contratar o zagueiro chileno, mas quem ganhou a disputa foi o Peñarol (URU), então campeão da Libertadores e do Mundial Interclubes em 1966, recheado de craques como Mazurkiewicz, Néstor Gonçalves, Alberto Spencer e Pedro Rocha. Mesmo com tantos craques, Figueroa foi logo mostrando que também era um, e dos bons, ganhando espaço no time e conquistando logo em sua primeira temporada o Campeonato Uruguaio de 1967, de maneira invicta, com 15 vitórias e três empates em 18 partidas. No ano seguinte, Figueroa venceu mais um Campeonato Nacional e seguiu firme como titular da equipe aurinegra, esbanjando técnica e usando suas “ferramentas” quando era necessário parar algum adversário mais habilidoso. Em 1969, Figueroa conquistou a extinta Supercopa dos Campeões Mundiais, competição organizada pela Conmebol que reunia os clubes sul-americanos campeões mundiais. O Peñarol deixou para trás Santos (BRA), Racing (ARG) e Estudiantes (ARG), com quatro vitórias, um empate e uma derrota em seis jogos. Àquela altura, o craque já era um dos maiores jogadores de seu país e também do continente, tendo recebido o prêmio de melhor jogador do Campeonato Uruguaio em 1967 e 1968.

 

América na trave

Image

Em 1970, Figueroa não conseguiu disputar sua segunda Copa, pois o Chile não se classificou. A grande chance de título da temporada foi na Copa Libertadores, quando o Peñarol conseguiu superar os obstáculos e alcançar a decisão. Nela, porém, o time barrou na raça e na mítica equipe do Estudiantes (ARG), que conseguiu (depois de uma vitória por 1 a 0 e um empate sem gols) o tricampeonato consecutivo da Libertadores, igualando o próprio Peñarol em número de conquistas. Ali, seria a última chance de título de Figueroa com o manto aurinegro. Ele mudaria de casa muito em breve.

 

Quando o Beira Rio ganhou um rei

Image

Em 1971, Figueroa disse um sonoro “não” ao poderoso Real Madrid após receber uma proposta tentadora do clube merengue. O jogador preferiu ir jogar no Internacional (BRA), pelo fato de o clube disputar o Campeonato Brasileiro, onde estavam os maiores craques do futebol sul-americano, na opinião do próprio zagueiro. A ida de Figueroa ao Brasil causou muita revolta na torcida do Peñarol, que não admitiu a saída de um craque do porte do chileno. Também pudera, pois Figueroa começaria a fase mais áurea de sua carreira vestindo o manto vermelho do Inter.

Image 

 

Leão em campo

Image

Ao lado de muitos craques, entre eles Falcão, Figueroa assumiu a braçadeira de capitão do Colorado e começou a realizar partidas marcantes que rapidamente encantaram os torcedores do Inter. Em 1971 e 1972, a equipe faturou o bicampeonato Gaúcho, que se transformaria num histórico hexa, em 1976. No período, Figueroa também aliou suas atuações entre o vermelho do Inter e o vermelho da seleção do Chile, quando foi o principal responsável por classificar a equipe para a Copa do Mundo de 1974. O Chile teve de disputar a repescagem contra a União Soviética, em dois jogos. No primeiro, Figueroa fez como nunca da área a sua casa, jogou demais, e os chilenos arrancaram um 0 a 0 heroico em Moscou. Como a URSS não decidiu disputar a partida de volta, no Chile, em protesto ao golpe de estado no país, o Chile garantiu a classificação.

O melhor

Image

Na Copa de 1974, Figueroa foi ainda melhor que em 1966, mesmo não podendo ajudar seu Chile a garantir uma vaga na fase seguinte, por ter de encarar simplesmente as donas da casa, as “Alemanhas” Ocidental e Oriental. O Chile perdeu para a Alemanha Ocidental, de Beckenbauer, por 1 a 0, empatou com a Oriental em 1 a 1 e empatou sem gols com a Austrália. Naquele Mundial, Figueroa ganhou um singelo elogio de um dos maiores craques da época, Franz Beckenbauer, que disse ser “o Figueroa da Europa”. Também em 1974, Figueroa ganhou pela primeira vez o prêmio de Melhor Jogador da América, em votação feita pelo Jornal El Mundo. O craque venceria o troféu, também, nos dois anos seguintes.

 

Rumo ao topo no Brasil

Image

Sem rivais no Rio Grande do Sul, o Internacional de Figueroa colocou o Campeonato Brasileiro de 1975 como grande objetivo da temporada. O torneio daquele ano tinha uma primeira fase com quatro grupos, dois com 10 times e dois com 11. O Inter caiu no grupo D, sendo o líder e um dos classificados, com oito vitórias, dois empates e apenas uma derrota em 11 jogos, sofrendo apenas cinco gols, reflexo direto de Figueroa à frente da zaga do Colorado. Na segunda fase, dois grupos com 10 times cada classificariam os seis melhores de cada um. O Inter foi novamente o líder, com cinco vitórias, quatro empates e uma derrota em 10 jogos, sofrendo quatro gols. Na terceira (!) fase, mais dois grupos com oito times cada, classificando os dois melhores de cada um para as semifinais. Dessa vez, o Inter foi o segundo colocado, ficando atrás do surpreendente Santa Cruz. Em sete jogos, os colorados venceram quatro, empataram dois e perderam um. O tricolor de Pernambuco teve uma vitória a mais. O Inter estava classificado. Mas teria que enfrentar o líder do grupo A: o Fluminense.

Image

Na semifinal, disputada em partida única, o Fluminense levou mais de 97 mil pessoas ao Maracanã e tinha convicção de que iria para a final, tamanha a qualidade de seus jogadores, orquestrados por Rivellino. Mas eles não contavam com outro maestro do lado colorado, Falcão, tão bom quanto Riva, e Figueroa, dono da área colorada. O Inter não se intimidou, apostou no equilíbrio e venceu o Flu por 2 a 0, gols de Lula e Carpegiani. A vaga para a final estava carimbada. E a Máquina Tricolor via o esquadrão vermelho acabar com a sua magia.

 

Zagueiro “iluminado”

Image

Dono de melhor campanha que o rival da final, o Cruzeiro, o Internacional decidiu em sua casa o Brasileiro de 1975. O jogo, como não poderia deixar de ser, foi muito disputado. O Cruzeiro tinha feras em campo como Nelinho, Raul Plassmann, Piazza, Zé Carlos, Palhinha e Joãozinho. Em um jogo tão pegado, quem brilhou foi a zaga colorada. Manga pegou tudo e mais um pouco naquele jogo (inclusive um cruzamento de Nelinho com apenas uma mão) e Figueroa teve de usar todas as suas armas (todas mesmo!) para parar o veloz ataque cruzeirense. “Don Elías” foi ainda mais preciso no lance que decidiu a partida. O craque marcou, de cabeça, o gol do título colorado em um lance emblemático, em que um único feixe de luz do sol iluminou exatamente a cabeça do zagueirão, fazendo com que o gol ficasse conhecido como o “gol iluminado”. O Inter, pela primeira vez em sua história, era campeão nacional. Era, também, o primeiro clube gaúcho campeão brasileiro, deixando o rival Grêmio ainda mais raivoso. O artilheiro da competição foi o goleador colorado Flávio, com 16 gols. Era a glória tão sonhada que Figueroa queria com a camisa colorada. O Brasil era dele. E o futebol também.

Image

 

Ano perfeito

Image

Em 1976, Figueroa viu o Inter cair na Libertadores, que teria o Cruzeiro como campeão. Em compensação, no Brasileiro e no Gaúcho, a equipe colorada manteve sua hegemonia. O time sacramentou o hexa estadual e levantou o bicampeonato brasileiro, de novo em casa, ao derrotar o Corinthians por 2 a 0. O Internacional era bicampeão brasileiro, coroava seu futebol eficiente, brilhante e técnico, e colocava Falcão, Figueroa, Manga e Carpegiani no mais alto patamar dos grandes do futebol brasileiro e até mundial (no caso de Falcão e Figueroa). Naquele ano, Figueroa conquistou a Bola de Ouro da Revista Placar de melhor jogador do Campeonato Brasileiro, que se somou às quatro Bolas de Prata que ele já havia ganho em 1972, 1974, 1975 e 1976. O zagueiro também levou os prêmios de Melhor Jogador da América do Sul pelo El Mundo e de Jogador Mundial do Ano pela IFFHS e FIFA.

 

O bom filho a casa torna

Image

Em 1977, com saudades da família e com certo receio de sua segurança em Porto Alegre, Figueroa decidiu voltar ao Chile para jogar no Palestino. Mesmo jogando num time desconhecido, Figueroa manteve a estrela vencedora e faturou a Copa do Chile de 1977 e o Campeonato Chileno de 1978, com o destaque para uma invencibilidade de 44 jogos do Palestino no país, um recorde até hoje. O zagueiro manteve o bom nível no clube chileno até 1980, quando decidiu seguir o caminho de outros grandes craques do futebol mundial, como Pelé, Carlos Alberto Torres e Beckenbauer, e jogar no futebol norte-americano, mais precisamente no Fort Louderdale Strikes, em 1981. O time fez uma boa campanha na Liga Nacional, Figueroa jogou ao lado do peruano Cubillas e do alemão Gerd Müller, mas não conquistou o título, caindo nas semifinais para o New York Cosmos. Depois da aventura na terra do Tio Sam, Figueroa voltou a jogar no Chile, no gigante Colo-Colo, onde encerraria a carreira.

Image

 

A última Copa e o fim

Image

Em 1982, Figueroa, com 35 anos, disputou sua terceira e última Copa do Mundo, na Espanha, sendo o primeiro jogador chileno a disputar três Copas na carreira (e voltando a um mundial depois de o Chile não disputar a Copa de 1978). O Chile foi novamente eliminado na primeira fase, sofrendo três derrotas em três jogos, mas só o fato de ter estado na Espanha valeu demais para o veterano craque. Depois da Copa, Figueroa encerraria a sua brilhante carreira em janeiro de 1983, após disputar um clássico contra a Universidad de Chile pelo Colo-Colo, time que venceria o Campeonato Chileno daquele ano, mas já sem Figueroa. Terminava ali a carreira do maior jogador chileno de todos os tempos, de um dos mais talentosos e primorosos zagueiros sul-americanos do século XX e, sem dúvida alguma, de um dos maiores craques do futebol mundial. Mesmo depois de ter se aposentado, Figueroa continuou a atuar no mundo esportivo, seja como comentarista, seja como assessor esportivo e até dono de escolinhas de futebol. O ex-craque continuou (e ainda continua) a receber prêmios, homenagens e lembranças que valorizam cada vez mais o seu futebol mágico e soberano, que será eterno, como o Don Elías. Um craque imortal.

Image

Extras:

Don Elías

Veja imagens marcantes da carreira de Figueroa.

 

Licença Creative Commons
O trabalho Imortais do Futebol – textos do blog de Imortais do Futebol foi licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição – NãoComercial – SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Com base no trabalho disponível em imortaisdofutebol.com.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais ao âmbito desta licença.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *