Técnico Imortal – Telê Santana

Telê SANTANA

Nascimento: 26 de Julho de 1931, em Itabirito, MG, Brasil. Faleceu em 21 de Abril de 2006, em Belo Horizonte, MG, Brasil.

Times que treinou: Fluminense-BRA (1969-1970), Atlético Mineiro-BRA (1970-1971, 1972-1975 e 1987-1988), São Paulo-BRA (1973 e 1990-1996), Botafogo-BRA (1976), Grêmio-BRA (1976-1979), Palmeiras-BRA (1979-1980 e 1990), Seleção Brasileira (1980-1982 e 1985-1986), Al-Ahly-ARS (1983-1985) e Flamengo-BRA (1988-1989).

Principais títulos por clubes: 1 Campeonato Carioca (1969) pelo Fluminense.

1 Campeonato Brasileiro (1971) e 2 Campeonatos Mineiro (1970 e 1988) pelo Atlético Mineiro.

1 Campeonato Gaúcho (1977) pelo Grêmio.

1 Campeonato Árabe (1983), 1 Copa do Rei Árabe (1984) e 1 Copa do Golfo (1985) pelo Al-Ahly.

1 Taça Guanabara (1989) pelo Flamengo.

2 Mundiais Interclubes (1992 e 1993), 2 Copas Libertadores da América (1992 e 1993), 2 Recopas Sul-Americana (1993 e 1994), 1 Supercopa da Libertadores (1993), 1 Campeonato Brasileiro (1991), 1 Copa Conmebol (1994), 1 Troféu Ramon de Carranza (1992), 1 Troféu Tereza Herrera (1992) e 2 Campeonatos Paulista (1991 e 1992) pelo São Paulo.

“O Mestre”

De Fio de Esperança a técnico de futebol. De treinador simples a comandante da seleção brasileira. De pé-frio a bicampeão mundial. De bicampeão mundial a Mestre. De Mestre a melhor de todos os tempos no Brasil. Telê Santana da Silva, o mineiro bem brasileiro, o brasileiro bem carioca, bem paulista, bem amado, foi o melhor técnico que o futebol nacional já teve. Isso é unânime. Podem discordar, podem espernear, podem vir com uma enxurrada de números, fatos. Todos irão cair por terra. Nenhum outro treinador foi tão inteligente, tão amigo, tão impecável fora das quatro linhas quanto o “Seu Telê”, o Mestre. De contestado após naufragar com a melhor seleção nacional desde 1970, em 1982, Telê viveu o auge e calou críticos ao transformar o São Paulo no maior espetáculo nacional e internacional entre 1991 e 1993. Como jogava bola aquele time. Como Raí, Cafu, Müller, Leonardo, Toninho Cerezo e Zetti se entendiam. O São Paulo não apenas jogava. Ele dava show. Jogava bonito. Jogava por títulos, por hegemonia, para a torcida. Jogava sempre com categoria, de cabeça erguida, em prol do futebol, do espetáculo. Telê transformava jogadores comuns em craques. Brucutus em ótimos defensores. Pés-murchos em canhões certeiros. Laterais em meias. Zagueiros em volantes. Telê fazia mágica. Fazia história. E entrou para a eternidade. É hora de relembrar a carreira desse mago do futebol arte.

Início tricolor

n_fluminense_treinadores-4207805

Depois de encerrar, no começo dos anos 60, uma carreira de bons momentos e títulos no Fluminense, Telê Santana resolveu iniciar sua vida de técnico de futebol justamente no tricolor carioca, quando comandou o time de juniores entre 1967 e 1968. Disciplinador e defensor ferrenho do futebol bem jogado e inteligente, Telê rapidamente começou a brilhar e a mostrar que não seria um treinador qualquer. Em 1969, passou para o time titular do clube das Laranjeiras e logo de cara foi campeão estadual, com uma equipe muito bem montada e articulada. O título despertou o interesse do Atlético Mineiro, que levou o treinador para Belo Horizonte em 1970. Antes de deixar o Flu, Telê plantou a semente que daria fruto logo em 1970, ano em que o tricolor levantaria seu primeiro título do Campeonato Brasileiro, na época chamado de Torneio Roberto Gomes Pedrosa, na final justamente contra o Galo.

 

De Minas para o Brasil

telesantana-ae47

Telê chegou a Minas com o objetivo principal de retomar o caminho das glórias do time e acabar de vez com a hegemonia do Cruzeiro no estado. O Atlético tinha um time muito forte e ainda contava com a estrela de Dadá Maravilha no ataque, artilheiro nato que vivia ótima fase. De junho até setembro de 1970, o Galo disputou o Campeonato Mineiro com o claro objetivo de ser campeão e impedir o hexacampeonato cruzeirense. O Galo começou com tudo, com cinco vitorias seguidas. No sexto jogo, a única derrota no torneio: 1 a 0 para o Sport de Juiz de Fora. Depois desse revés, os comandados de Telê venceram 15 partidas seguidas e empataram apenas um jogo, quando já podiam, contra o rival Cruzeiro, em 1 a 1. Com 20 vitórias, um empate e uma derrota em 22 jogos, o Galo foi campeão mineiro de 1970, com destaque para Dario, artilheiro do torneio com 16 gols. A equipe alvinegra marcou 51 gols e sofreu apenas 12.

Em 1971, com a mesma base campeã estadual e com o grupo formado, o Atlético queria disputar e vencer tudo o que disputasse. No primeiro torneio do ano, o Mineiro, a equipe não repetiu a atuação de 1970 e terminou na terceira posição. Restava o recém-criado Campeonato Brasileiro, disputado por 20 clubes em duas fases de grupos e um triangular decisivo, de turno único. A equipe contou com Dadá inspirado e foi vencendo os jogos, empatando quando podia e perdendo muito pouco. O Galo se classificou para a segunda fase, ficou com a primeira colocação da chave, e garantiu seu lugar no triangular final, ao lado de Botafogo e São Paulo. Era hora de conquistar a taça.

 

Brasil preto e branco

atletico-mineiro-campeao-brasileiro-1971-tele-santana

No triangular de turno único, uma vitória logo de cara já deixaria o Galo com chances enormes de título. O time encarou o forte São Paulo de Forlán e Gérson, no primeiro jogo, no Mineirão. O tricolor tinha um leve favoritismo, mas foi o Galo quem comandou o jogo e saiu com a vitória, com um gol marcado por Oldair aos 30´do segundo tempo. A vitória foi crucial para o Galo seguir com chance de título. Três dias depois, o São Paulo venceu o Botafogo por 4 a 1, obrigando o time carioca a vencer bem o Galo na partida decisiva. Já o Atlético jogava por um empate para ser campeão brasileiro. No Maracanã, com a torcida toda contra e o craque Jairzinho do lado botafoguense, o time de Telê mostrou maturidade e futebol de campeão. Com um gol de Dadá Maravilha aos 16 minutos do segundo tempo, o Galo foi valente, forte, imponente e venceu por 1 a 0: Atlético-MG campeão brasileiro de futebol, com 12 vitórias, 10 empates e cinco derrotas em 27 jogos, com direito ao melhor ataque do torneio, com 39 gols. Era a coroação definitiva de Dadá, artilheiro do torneio com 15 gols, do seguro goleiro Renato, da zaga comandada por Vantuir e Grapete, do meio de campo pegador com Vanderlei e Humberto Ramos e do ataque letal com Ronaldo, Tião e, claro, Dadá. O Brasil conhecia o Galo. E, principalmente, Telê Santana, que comentou na época que “fez a equipe entrar em campo sempre confiante, pensando apenas em jogar futebol”. O discurso simples e focado de Tel
ê seria uma de suas marcas registradas na carreira, bem como pegar equipes em frangalhos e levá-las às glórias.

Fazendo história no Rio Grande do Sul

tumblr_m7mkj0tf9j1rxrwn5o1_500

Telê deixou o Atlético em 1975 com direito a uma breve e esquecível passagem pelo São Paulo em 1973, quando viveu vários atritos com a diretoria e jogadores (quem diria!). Em 1976, aceitou uma proposta do Grêmio para tentar fazer o clube gaúcho acabar de vez com a hegemonia torturante do Internacional de Falcão no estadual (o colorado era o atual octacampeão). Com uma mescla de veteranos e jovens craques (Eurico, Ancheta, Corbo, Éder e André Catimba), Telê rapidamente deu vida nova à equipe e convenceu aquele grupo que era possível, sim, ser campeão gaúcho novamente. Os jogadores ficaram contagiados pelo estilo de trabalho de Telê e deram a resposta em campo, levando o tricolor para a final, claro, contra o Inter. Em um jogo memorável e histórico, disputado num estádio Olímpico ainda inacabado, o Grêmio venceu o Inter por 1 a 0, gol de André Catimba, que na hora da comemoração tentou dar uma cambalhota, sentiu uma contusão e teve que abortar a acrobacia no ar, dando de cara no chão. O estádio explodiu em festa e a torcida pôde comemorar o início de tempos de ouro no clube. Aquela conquista colocava um ponto final na hegemonia do Inter e marcaria o renascimento do Grêmio, que nos anos 80 conquistaria o Brasil, a América e o Mundo.

André e a cambalhota "abortada" em pleno ar: queda feia.
André e a cambalhota “abortada” em pleno ar: queda feia.

 

Jejum no Palmeiras

fbpalmeiras79

Em 1979, Telê deixou Porto Alegre para comandar o Palmeiras. O clube alviverde vivia tempos de vacas magras e apostava na política do bom e barato, ao contrário de investir em estrelas e craques consagrados. Outra vez Telê tirou água de pedra e conseguiu montar uma equipe competitiva, mas que não venceu títulos. Jorge Mendonça era o craque único do alviverde que fez grandes partidas no Brasileiro de 1979 (com direito a uma goleada por 4 a 1 sobre o Flamengo do jovem Zico em pleno Maracanã) e no Paulista. A torcida ficou muito feliz com o trabalho do mineiro no Palmeiras, mas lamentava o fato de o time não ter grandes jogadores que pudessem levar o Palmeiras a uma taça. O jejum permaneceria até os anos 90, quando o clube viveu seus anos de ouro com a parceria da Parmalat.

O sonho da seleção

TELÊ

Em 1980, Telê assumiu a seleção brasileira no lugar de Cláudio Coutinho, técnico do Brasil na Copa de 1978. Telê tinha como objetivo montar uma equipe para se classificar e disputar a Copa do Mundo da Espanha de 1982. Beneficiado pela safra de puro talento que transbordava no futebol nacional na época, o treinador começaria a partir daquele ano um de seus mais notáveis trabalhos. Adepto do futebol arte e com artistas do quilate de Júnior, Leandro, Zico, Falcão, Sócrates e Éder, Telê montou um dos maiores esquadrões da história da seleção brasileira, que disputou o Mundialito do Uruguai entre 1980 e 1981 (ficando com o vice, na derrota por 2 a 1 para os donos da casa) e embalou de vez em uma excursão pela Europa também em 1981, quando encarou três amistosos contra Inglaterra, França e Alemanha. Contra os ingleses, vitória do Brasil por 1 a 0, gol de Zico. Na partida seguinte, contra a França, outra vitória: 3 a 1, com direito a olé. No último jogo, páreo duro contra a Alemanha, e nova vitória do time canarinho por 2 a 1, com um show em particular do goleiro Waldir Peres, que pegou dois pênaltis de um dos maiores craques do futebol alemão: Paul Breitner. Com moral, shows e um timaço, o Brasil era apontado como o maior favorito da Copa de 1982. O tetra era apenas uma questão de tempo.

telesantana23-jpg_142535

 

Jogando por música

brasil-argentina-1982

Na Copa, o Brasil estava no Grupo F, ao lado de União Soviética, Escócia e Nova Zelândia. Na estreia, o Brasil enfrentou a URSS. Os europeus começaram assustando aos 34´, com o gol de Bal. Mas, no segundo tempo, o Brasil se impôs, deixou de lado o normal nervosismo da estreia e colocou os soviéticos na roda. Sócrates empatou aos 75´, num golaço de fora da área, e Éder, num de seus habituais chutaços, virou o jogo faltando dois minutos para o final, garantindo a vitória do Brasil: 2 a 1.

Contra a Escócia, em Sevilha, novamente o Brasil começou atrás no placar, com Narey fazendo 1 a 0 aos 18´. Aos 33´, Zico empatou, de falta. No segundo tempo, show. Oscar, aos 48´, Éder, aos 63´, e Falcão, aos 87´, garantiram o 4 a 1 do Brasil, para delírio da torcida. Na última partida da primeira fase, nova goleada: 4 a 0 na Nova Zelândia, com gols de Zico (2), Falcão e Serginho. O Brasil jogava por música, marcava golaços e encantava a todos. Ninguém duvidava que o caneco ficaria com o selecionado de Telê Santana.

Na fase seguinte da Copa, o Brasil estava no Grupo 3 ao lado da então campeã mundial, Argentina, e da desacreditada Itália. Os selecionados de Telê Santana encararam logo de cara os hermanos, que confiavam no talento do garoto Maradona e na força do grupo. Porém, eles não esperavam levar um chocolate (ou seria um alfajor?) do time brasileiro. Zico abriu o placar aos 12´ do primeiro tempo. Na segunda etapa, Serginho ampliou aos 23´e Júnior fez 3 a 0 aos 30´. Diáz ainda diminuiu no final do jogo, mas não adiantou: Brasil 3 x 1 Argentina. No jogo seguinte do Grupo, a Itália superou a Argentina e eliminou os vizinhos sul-americanos. Com isso, Brasil e Itália decidiriam a vaga nas semifinais. Para o Brasil, bastava um empate. Para a Azzurra, uma vitória simples era o bastante. Mas quem acreditava na derrota do Brasil?

 

A tragédia

1982_ita3x1bra

Brasil e Itália se reencontravam em mais uma Copa. Era o primeiro jogo desde a decisão do terceiro lugar de 1978, vencida pelo Brasil. Um empate bastava para a seleção de Telê. Porém, o jogo foi o apogeu e despertar de Paolo Rossi, que estava até então sem marcar gols. Ele fez daquela partida a mais importante da carreira dele, para mostrar que, após a punição do Totonero
(esquema de manipulação de resultados que assolou o futebol italiano antes da Copa), ele ainda estava em plena forma.

Aos cinco minutos, Rossi abriu o placar. Sete minutos depois, Sócrates empatou para o Brasil. Aos 25´, Rossi fez mais um, em uma falha imperdoável de Cerezo. No segundo tempo, Falcão empatou num golaço. Mas aos 30´, Rossi, de novo, fechou a conta para a Itália: 3 a 2. Perto do final do jogo, o zagueiro brasileiro Oscar quase empatou para o Brasil, mas Dino Zoff fez uma defesa que, segundo o próprio, foi a mais sensacional de sua carreira, ao pegar em cima da linha. Fim de jogo. O incrédulo Sarriá não entendia o que tinha acabado de acontecer: o Brasil encantador, eficiente, rápido, fatal e artístico, estava fora da Copa do Mundo. A Itália, burocrática, sem brilho, estava na semifinal. Era o fim da geração de ouro do Brasil. Os jogadores não sabiam para onde ir, o que fazer, o que dizer. Onde tínhamos errado? O que faltou?

O Brasil de Telê: em um ponta pela direita e com uma equipe ofensiva demais, o time sucumbiu diante da marcação e talento da Itália.
O Brasil de Telê: sem um ponta-direita e com uma equipe ofensiva demais, o time sucumbiu diante da marcação e talento da Itália.

 

A seleção de Telê, embora fosse difícil aceitar, tinha, sim, pontos fracos, que foram notados da maneira mais trágica possível exatamente no jogo mais importante daquele time. Se o Brasil era ofensivo e brilhante no ataque, o mesmo não se podia dizer de sua zaga, que não apoiava de maneira eficaz os laterais e meias que subiam constantemente ao ataque. Com isso, ao se deparar com os defensores italianos Scirea (um dos maiores líberos da história do futebol), Bergomi, Cabrini e, sobretudo, Gentile, que anulou Zico, o Brasil sucumbiu. Naquele jogo a Itália mostrou a frieza e a precisão que o Brasil não teve para decidir o jogo, além de ter um centroavante com estrela (Paolo Rossi), diferente do Brasil, que não teve Careca (contundido) e viu Serginho pouco decisivo naquele mundial. O bordão “bota ponta, Telê!”, do Zé da Galera, interpretado por Jô Soares na década de 80 nunca foi tão verdadeiro quando lembramos aquela Copa. O time de Telê, realmente, não tinha um ponta direita nato. Sócrates e Zico se revezavam nas jogadas por aquele lado, além do apoio do talentoso Leandro. Porém, as subidas do lateral deixavam o famoso buraco que não era compensado pela zaga brasileira. Se a seleção tivesse um Garrincha, por exemplo, a história seria bem diferente…

Revendo conceitos

63903-700x0

A derrota na Copa fez Telê Santana mudar um pouco seus conceitos de futebol arte e a rever sua ideologia, mas mantendo a ofensividade. O futebol nacional passaria, a partir daqueles anos, a focar mais nos resultados do que nos espetáculos, tanto é que nunca mais uma seleção brasileira deu show. O treinador deixou o comando do escrete canarinho e passou algumas temporadas na Arábia Saudita, onde também brilhou. Em 1985, Telê foi chamado novamente para a seleção a fim de arrumar a casa para a disputa de mais uma Copa do Mundo, em 1986. Disciplinador como sempre, o técnico não aturou atitudes como a de Renato Gaúcho, cortado por chegar atrasado à concentração da equipe. Com a base da Copa anterior, mas prejudicada pelo fato de as estrelas daquele ano já não estarem mais no auge (casos de Zico e Sócrates), o Brasil fez uma Copa razoável e foi eliminado nos pênaltis diante da França de Platini, nas quartas de final. Ali, terminaria para sempre o ciclo de Telê no comando do Brasil e também daquela geração de ouro, que, nas palavras de Zico, “não nasceu para ganhar uma Copa do Mundo”. O novo revés deixou Telê marcado como pé-frio por não conseguir uma taça com equipes tão fortes. Esse estigma iria acompanhá-lo até 1991, ano em que tudo começaria a mudar.

Os verdadeiros anos de ouro

0,,21184791-EX,00

Depois de passar por Atlético-MG, Flamengo e Palmeiras, Telê Santana assumiu o comando do São Paulo em 1990. No tricolor, o treinador pegou o clube aos cacos depois de uma campanha horrível no Campeonato Paulista daquele ano e de ser vice-campeão brasileiro em 1989. Mas nem tudo era drama. O São Paulo tinha promessas surgindo e um elenco pronto para ser transformado e revolucionado por Telê, bem ao seu estilo. E foi isso que ele fez. Diferente de sua primeira e conturbada passagem, lá nos anos 70, o São Paulo oferecia toda a estrutura necessária para as glórias. Telê se aproveitou disso e passou a viver no clube, literalmente. O treinador fazia de tudo: caçava pragas que ameaçavam o gramado, não deixava ninguém pisar com sapatos no campo, brigava com torcedores e jornalistas que o atrapalhassem e treinava a exaustão um fundamento básico e essencial para a prática do futebol: o passe. Jogador comandado por Telê tinha que ser perito no passe. Um erro era fatal. E ele deixou isso bem claro para todos os que foram comandados por ele naquele tempo. Mas a teimosia, o jeito turrão e o perfeccionismo vinham acompanhados de muito carinho e dedicação aos jogadores, que eram tratados como amigos e companheiros, cada um com sua particularidade. Por isso, o São Paulo começou a ser não só um time de futebol, mas um grupo forte e unido, que praticaria um futebol solidário, muito técnico e competitivo.

Começam os shows

axel-e-orientado-por-tele-santana-em-treino-no-sao-paulo-1316718998893_615x300

O primeiro ano de Telê serviu para montar e estruturar o elenco que daria frutos a partir de 1991. Em 1990, a equipe foi mais uma vez vice-campeã brasileira, perdendo a final para o valente Corinthians. Claro, voltaram a chamar Telê de pé-frio, mas ele não ligou. No ano seguinte, começou a obra prima do treinador que viraria Mestre.

No Campeonato Brasileiro, o São Paulo liderou a primeira fase com 11 vitórias e apenas 4 derrotas em 19 jogos. Com quatro equipes asseguradas na fase de mata-mata, o tricolor encarou o quarto colocado, o Atlético Mineiro. Após dois empates, 1 a 1 e 0 a 0, o time se garantiu na final por ter a melhor campanha. A decisão seria contra o surpreendente Bragantino. No primeiro jogo, no Morumbi, o São Paulo mostrou força e venceu por 1 a 0, gol de Mário Tilico. Em Bragança, Telê foi contra sua filosofia e encheu o time de volantes, segurando o placar de 0 a 0 e dando o tricampeonato nacional ao tricolor. Em seguida, veio o Estadual. Depois de uma péssima campanha em 1990, o São Paulo deu a volta por cima em 1991, despachou todos os rivais que encontrou pela frente e chegou à final contra o Corinthians. No primeiro jogo, Raí mostrou que era o melhor jogador do Brasil à época e marcou os três gols na vitória por 3 a 0. No segundo, empate em 0 a 0, que garantiu o título ao tricolor. Era a revanche contra o rival que tirara o brasileiro da equipe no ano anterior. Com os dois títulos, o ano de 19
92 seria de novos desafios para o time. Afinal, o tricolor disputaria a Libertadores da América.

 

A conquista da América

Sao-Paulo-Tele-Santana-640x480-Divulgacao

Depois de superar algumas dificuldades na primeira fase da Libertadores de 1992, o São Paulo foi com tudo na fase de mata-mata da competição. Nas oitavas de final, páreo duro contra o Nacional do Uruguai. Porém, o time mostrou maturidade e venceu os dois jogos, por 1 a 0 e 2 a 0. Nas quartas, embate brasileiro contra o Criciúma e vitória tricolor no primeiro jogo por 1 a 0, com empate no segundo em 1 a 1. Na semifinal, o time enfrentou o Barcelona do Equador e passou fácil no primeiro jogo com um 3 a 0. Na partida seguinte, muito sufoco, e mesmo a derrota por 2 a 0 garantiu o time na final.

Na decisão, o time de Telê e Raí enfrentou o Newell´s Old Boys-ARG, dono do melhor ataque da competição. O tricolor teria a vantagem de decidir em casa. No primeiro jogo, vitória argentina por 1 a 0. Na volta, o São Paulo venceu por 1 a 0, o que não foi o bastante para garantir o título no tempo normal. Decisão nos pênaltis!

telesantana--ae47

Mais de 105 mil torcedores roeram todas as unhas na decisão por pênaltis da Libertadores de 1992. O São Paulo tinha bons cobradores, que deixaram os seus. Raí, Ivan e Cafu marcaram. Ronaldão perdeu. Pelo lado do Newell´s, Zamora e Llop fizeram. Porém, os erros de Berizzo, Mendoza e a derradeira cobrança de Gamboa, defendida por Zetti, deu o título ao São Paulo. Era a coroação de uma equipe extremamente competitiva. O Morumbi explodiu de alegria, a multidão invadiu o gramado como nunca antes havia se visto. O campo verde do estádio ficou todo colorido em vermelho, preto e branco. Raí erguia, pela primeira vez, a América para o tricolor. E Telê calava de vez os críticos que o chamavam de pé-frio. Mas aquilo era só o começo. Era hora de começar os preparativos para a disputa do Mundial, em dezembro, no Japão, contra o poderoso Barcelona.

Preparação com título paulista

tele02

Se no Brasileiro a equipe não conseguiu se garantir na final, no paulista o time sobrou. Líder tanto na primeira fase quanto no quadrangular final, o time foi para a final contra o Palmeiras. Houve uma polêmica quanto às partidas decisivas, pois tanto o segundo jogo da final quanto a decisão do Mundial que o São Paulo disputaria estavam marcadas para o dia 13 de dezembro. Com isso, o tricolor conseguiu adiar a partida do paulista para o dia 20 daquele mês. Mesmo assim, o primeiro jogo foi alvo de críticas do time de Telê, que teve de disputá-lo no dia 5 de dezembro, o que causaria atrasos na programação do Mundial. Porém, o São Paulo não se incomodou e goleou o rival por 4 a 2, com 3 gols de Raí e um de Cafu. A vitória serviu de embalo para o time partir em busca do seu título mais importante na história.

 

Mundo tricolor

tele-santana_crop_galeria

O São Paulo desembarcou como zebra no Japão para a disputa do título do Mundial Interclubes. O motivo? A equipe iria enfrentar nada mais nada menos que o Barcelona, campeão europeu e com um time considerado o “Dream Team” da história do clube, com Guardiola, Koeman, Stoichkov, Zubizarreta, Nadal, Sergi e o treinador Johan Cruyff. O tricolor já conhecia aquele Barcelona devido à disputa de torneios amistosos naquele mesmo ano, na Espanha. O São Paulo inclusive vencera o Barça por 4 a 1 no Troféu Tereza Herrera. Mas o que se viu foi um show de partida, sendo considerada por muitos a melhor da história do São Paulo. A equipe não se intimidou com os blaugranas da Catalunha e conseguiu impor seu jogo. Mesmo o gol inicial do time espanhol, marcado pelo goleador Stoichkov, não abalou o São Paulo, que empatou com Raí. No segundo tempo, falta para o tricolor. Raí foi pra bola e marcou um gol antológico, indo comemorar com seu querido técnico Telê. Era a virada, era o gol do título Mundial. O São Paulo era o melhor do mundo. No final do jogo, Cruyff, técnico do Barça, lançou uma frase lembrada até hoje pelos torcedores:

“Se é para ser atropelado, que seja por uma Ferrari…”

É, o São Paulo era mais que aquilo. Era um time irresistível, com Raí em sua melhor fase na carreira. A máquina tricolor se garantia muito mais que uma Ferrari…

O São Paulo do Mundial de 1992: 4-2-3-1 era o esquema favorito do treinador, que usava e abusava do talento de Cafu, Raí, Palhinha e Müller.
O São Paulo do Mundial de 1992: 4-2-3-1 era o esquema favorito do treinador, que usava e abusava do talento de Cafu, Raí, Palhinha e Müller.

 

Mais um caneco

A euforia tomou conta de São Paulo em dezembro. O time voltou com o caneco de campeão mundial e deu a volta olímpica pela cidade, em carro de bombeiro e cheio de pompa. Mas nem haveria tanto tempo para comemorar, pois ainda tinha o jogo final do paulista, contra o Palmeiras. O verdão queria carimbar a faixa do tricolor e se aproveitar do desgaste físico do rival, mas Müller e Cerezo não deixaram, e deram outra vitória ao São Paulo por 2 a 1. Bicampeonato paulista, e o encerramento de um ano perfeito com três títulos conquistados. A imprensa também saudava sem economia o time, que, com os três títulos conquistados em 1992, somados aos três de torneios amistosos, fizeram com que o São Paulo fosse o destaque esportivo do ano. A revista Placar decretou à época: “O São Paulo hoje está muito à frente dos adversários”. Estava mesmo…

Caminho do bi mais curto

rai-tele_crop_galeria

Como campeão, o São Paulo entrou na Libertadores de 1993 já nas oitavas de final. Logo de cara, reencontro com os adversários da final de 1992, o Newell´s Old Boys. No primeiro jogo, na Argentina, os argentinos estavam com “sangue nos olhos” por vingança e venceram por 2 a 0. A volta seria difícil, pois o São Paulo teria que vencer por mais de dois gols para ir às quartas de final. Mas, o que Raí e companhia não faziam, não é mesmo? O time mostrou sua força de campeão e goleou o freguês: 4 a 0. Nas quartas de final, embate brasileiro contra o então campeão brasileiro, o Flamengo. No jogo de ida, no Maracanã, empate em 1 a 1. Na volta, novo show tricolor e vitória por 2 a 0. Nas semifinais, o time venceu o Cerro Porteño, do Paraguai, por 1 a 0 em casa e segurou o empate sem gols fora, garant
indo a vaga na grande final.

Maior vareio da história

Diferentemente do ano anterior, o São Paulo iria decidir fora de casa o título da Libertadores de 1993. O primeiro jogo, contra o Universidad Católica, do Chile, foi num Morumbi lotado. E o São Paulo aplicou a maior goleada em uma final de Libertadores até hoje: 5 a 1. Foi um espetáculo de Raí, Zetti, Vítor, Pintado, Dinho, Ronaldo Luís, Muller, Palhinha e Cafu. Na volta, nem a derrota por 2 a 0 impediu a festa: bicampeonato da América garantido. Era o São Paulo no topo do continente pela segunda vez consecutiva.

Maratona pelo Brasil (e mundo)

a886b5f8-c023-3025-940c-fe4d6d1bf958

Time da moda, o São Paulo de Telê aceitava diversos convites para disputar torneios amistosos, mas também tinha compromissos sérios, como a Recopa Sul-Americana e a Supercopa da Libertadores, ambas vencidas pelo time em cima de Cruzeiro e Flamengo, respectivamente. Em 1993, a equipe bateu recorde e disputou absurdas 97 partidas. O ápice se deu no mês de abril, quando o time jogou nada menos que 16 partidas em apenas 30 dias! A média foi de praticamente um jogo a cada dois dias.

Mundo tricolor – parte 2

big_sao-paulo-1993-01

Já conhecido em solo japonês, o São Paulo foi recebido com muita festa pela torcida local e teve a maioria no estádio Nacional de Tóquio para a final do Mundial de 1993. O adversário seria o Milan, vice-campeão europeu, que garantiu vaga na decisão por conta de um escândalo de manipulação de resultados que envolveu o campeão europeu daquele ano, o Olympique de Marselha. De novo, o São Paulo não era favorito, principalmente por não ter mais a sua grande estrela, Raí. Mas quem esperava uma vitória fácil dos italianos viu um jogo espetacular. Palhinha abriu o placar para o São Paulo no primeiro tempo. No segundo, Massaro empatou. Cerezo deixou o São Paulo na frente de novo, mas Papin empatou. Faltando 4 minutos para o fim do jogo, Müller fez, sem querer, o gol da vitória. O São Paulo era bicampeão mundial de futebol, como o Santos de Pelé, e a geração de ouro comandada por Telê Santana chegava ao ápice. A equipe terminaria o ano com uma Quádrupla Coroa Internacional, ao vencer todas as competições internacionais que disputara: Libertadores, Recopa, Supercopa e Mundial.

 

Tristeza e a última conquista

TeleSantana_SaoPaulo_08111994_EpitacioPessoa_AE_600

Insaciável, o São Paulo não cansava de vencer. Em 1994, a equipe ganhou o Bi da Recopa (em cima do Botafogo), e, com um time totalmente formado por juniores, a Copa Conmebol (substituída pela Copa Mercosul, anos depois, e pela Copa Sul-Americana, nos dias de hoje), com direito a um baile de 6 a 1 no primeiro jogo da final em cima do Peñarol-URU. Mas, mesmo com as conquistas, o time viveu um drama sem igual na Libertadores. Depois de eliminar os adversários pelo caminho, inclusive o grande Palmeiras, o São Paulo chegou à sua terceira final seguida. O adversário seria o argentino Vélez Sarsfield, do polêmico goleiro Chilavert. O tricolor repetiu o filme de 1992 e não liquidou o jogo no tempo normal, levando a decisão para os pênaltis. Mas, dessa vez, nem Zetti conseguiu ajudar a equipe. O tricolor sucumbiu e perdeu o seu título mais ganho, em casa, para um adversário claramente inferior. Seria o início do fim de uma equipe tão acostumada às vitórias e aos títulos.

Problemas de saúde e o fim

66277

Em meados de 1995, Telê começou a sentir o peso de tantos anos de dedicação, viagens, estilo de vida solitário e estresse. Somado a isso, seu São Paulo já não era mais o mesmo, muitos jogadores deixaram o clube, as categorias de base não rendiam e os rivais começavam a crescer rapidamente, tais como Grêmio, Palmeiras, Corinthians, Cruzeiro e Vasco. A diabetes passou a atormentar a saúde do Mestre, obrigando-o a se licenciar do São Paulo. Em 1996, Telê sofreu uma isquemia cerebral e tempo depois seria anunciado como novo técnico do Palmeiras. Mas, com a saúde muito frágil, olhar vago e já sem a serenidade de antes, o treinador nem sequer assumiu o cargo. Magro e debilitado, o outrora forte Telê passou a viver em Minas, ao lado da família. Recebia visitas de vários parentes e amigos do futebol sempre com muita emoção e carinho. Em 2003, teve de amputar a perna esquerda após uma cirurgia de revascularização.

Em 2006, foi internado às pressas com uma grave infecção abdominal. No dia 21 de abril daquele ano, o Fio de Esperança não resistiu e faleceu em Belo Horizonte aos 74 anos. Com muita tristeza, os amantes do futebol se despediam daquele que foi um dos maiores treinadores do futebol mundial e sempre lembrado como o maior do Brasil. Telê não armava times em função do adversário. Ele se importava apenas com o seu time, com foco no simples e no puro futebol. Ídolo por onde passou, Telê tem até hoje seu nome gritado pela torcida do São Paulo após as grandes conquistas do clube, em especial no período entre 2005 e 2008, quando o tricolor faturou a América, o Mundo e o Brasil. Fio de esperança, fã da arte, Mestre. Telê foi e será para sempre um técnico imortal.

Nas Laranjeiras: um símbolo do Tricolor carioca e ilustre torcedor.
Nas Laranjeiras: um símbolo do Tricolor carioca e ilustre torcedor.

 

Números de destaque:

Comandou o São Paulo em 410 jogos, vencendo 197, empatando 122 e perdendo apenas 91.

É o recordista em jogos no comando do Atlético Mineiro: 434 partidas, com 235 vitórias, 122 empates e apenas 77 derrotas.

Curiosidades:

– Telê tinha a mania de mascar palitos de dente durante os jogos para aliviar a tensão. Anos depois, ele substituiu as madeirinhas por gomas de mascar.

– Contando torneios internacionais e nacionais, Telê Santana conquistou 22 taças em seu período no São Paulo. Recorde absoluto.

– Certa vez, Telê estava com um novato Cafu treinando cruzamentos no CT do São Paulo. O lateral era péssimo nos chutes. Já era bem tarde quando Cafu retrucou o comandante dizendo “se é fácil, faz você!”. Foi então que Telê (ponta-direita dos bons nos anos 50) pediu para Cafu ir para a área que ele ia mostrar como se faz um cruzamento. Telê bateu na cabeça de Cafu, que pouco se esforçou para marcar o gol. O lateral saiu de campo louco da vida, para a alegria e risadas dos presentes ao seu redor. Aquilo, no entanto, foi um gesto que o futuro capitão do penta seria grato eternamente ao Mestre
Telê.

tele-santana-da-silva-04

Extras:

Ferrari tricolor

Veja os gols da vitória do São Paulo por 2 a 1 pra cima do Barcelona, na final do Mundial de 1992.

Eterno Mestre

Veja um especial do Esporte Espetacular ao eterno Telê.

Licença Creative Commons
O trabalho Imortais do Futebol – textos do blog de Imortais do Futebol foi licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição – NãoComercial – SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Com base no trabalho disponível em imortaisdofutebol.com.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais ao âmbito desta licença.

8 thoughts on “Técnico Imortal – Telê Santana

  1. Saudades do Mestre Telê!!!! Ele realmente foi um dos melhores treinadores do futebol brasileiro,e hj em dia a mídia fdp quer comparar Tite ou Cuca com ele,cada uma!!! Nada contra Tite ou Cuca,mas esses dois ainda terão q ralar muito pra chegar aos pés do Mestre!!!!

  2. MESTRE DOS mestres . Tenho tristreza de ver essa juventude de hoje não conhecer o que é o futebol ARTE montado pelo mestre . Não havera treinador neste pais que se compara ao mestre.

  3. Embora o texto já tenha sido postado há cerca de 1,5 ano, hoje temos a certeza absoluta de como Telê faz falta ao futebol brasileiro… à época em que ele assumiu o São Paulo (inicio dos anos 90) a Alemnha era então a campeão mundial. Pensando nisso e tendo Beckenbauer como modelo a CBF escolheu Falcão para treinar a seleção, que, obviamente não deu certo, enquanto Telê no São Paulo acumulava títulos e espetáculos… ao comparar aquele São Paulo com os esquadrões de hoje (como Barça, Real e Bayern) coloco somente uma questão: o que aquele homem teria conseguido se pudesse manter o elenco intacto por pelo menos uns cinco anos? Lembrem-se sempre que a instabilidade econômica de nosso país sempre levou nossos melhores jogadores…

  4. Não torço para nenhum clube que ele treinou, mas que admirável o trabalho do ETERNO Telê Santana, até me emocionei, como ele faz falta hoje no futebol.

  5. o melhor tecnico que vi ate hj,seus times priorizavam o toque preciso e alta tecnica ,futebol arte, hj os tecnicos tem muito que aprender com mestre tele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *