Rebolo – Arte e Futebol

Em uma tarde de domingo, caminhando pelo magnífico Palácio dos Bandeirantes, no tour gratuito oferecido pelo Acervo dos Palácios de SP, deparei-me com uma sutil, mas bela, obra de arte em uma das dezenas de galerias artísticas do local. No quadro, estava retratada uma casa simpática, interiorana, cercada de verde e com montanhas ao fundo, daquelas que dá vontade de largar tudo e se mandar para lá, sem a preocupação do trabalho, sem o barulho dos carros e ônibus, sem correria. Uma casa para descansar. Ouvir apenas o som da natureza e dos pássaros. Na legenda, os dizeres: “Paisagem do Morumbi (casa do pintor), 1948. Óleo sobre tela”. Na autoria, o simples nome Rebolo. Pergunto para a educadora e guia do tour: “Mas quem é esse tal de Rebolo?”. Ela me responde: “Foi um dos grandes pintores modernistas do século XX, com várias obras expostas no país e também lá fora, além de ter sido jogador de futebol e de ter desenhado o escudo do Corinthians”. Quando ela terminou de falar isso, fiquei estupefato. Como assim!? Um ex-jogador que virou artista e ainda desenhou o escudo de um time de futebol? E mais: ele mesmo jogou no clube alvinegro e foi campeão paulista no ano do centenário da independência do Brasil, em 1922. Precisava pesquisar mais sobre tal figura ilustre. Como, em mais de uma década de pesquisa futebolística, não conhecia a história de Rebolo?

A obra de Rebolo no Palácio dos Bandeirantes.

 

No detalhe, a descrição da obra.

Francisco Rebolo Gonsales, com descendência espanhola, nasceu em 1902, e, desde muito pequeno, dava mostras de que teria um futuro artístico brilhante. No início da pré-adolescência, começou a aprender técnicas em artes com Giuseppe Barquita, entre 1915 e 1917, na Escola Profissional Masculina do Brás, e virou ajudante de pintor, quando começou a fazer lindos adornos e decorações em casarões e mansões de São Paulo, nos bairros da Mooca, Brás e Barra Funda. Naquela mesma época, se interessou, também, pelo futebol. Rebolo, com 14 anos, começou a jogar no Argentinos, um time da rua do Glicério, no parque Dom Pedro. Rápido e driblador, o atacante era muito elogiado e fazia quase sempre boas partidas. Mas os bate-bolas do Formiguinha (apelido que ganhou por ter apenas 1,60m de altura) na várzea durou pouco. Depois de passar pelo São Bento, foi jogar no Corinthians, seu time do coração, em 1922, e logo de cara venceu o Campeonato Paulista daquele ano, marcado pelo centenário da independência do Brasil. Mas o mais curioso foi a maneira como Rebolo foi contratado.

O jovem foi fazer uma pintura em um salão alugado pelo clube, no centro de São Paulo. O imóvel era um armazém do pai de Filó, um conhecido jogador do alvinegro na época. Neco, também do Timão, viu Rebolo trabalhando nas paredes do salão e disse:

“Você vem tirar nosso dinheiro, como pintor de salão, e joga no São Bento? ”

Depois da indireta, Rebolo conversou com a diretoria e foi jogar no clube alvinegro. Lá, não teve muitas oportunidades na equipe titular, figurando sempre no time B. No entanto, cultivava amizades e mantinha seus trabalhos como pintor, participando da decoração das igrejas Santa Cecília e Santa Ifigênia, ambas no centro de São Paulo, e dezenas de residências. Depois de quase cinco anos, o jogador-artista deixou o Timão para jogar no Ypiranga, onde ficaria até 1934.

Rebolo no Corinthians (ele é o segundo sentado, da esquerda para a direita, de terno claro).

Nesse período, Rebolo recebeu mais um convite do Corinthians, dessa vez um que entraria para a história. O clube não era mais apenas um time de futebol, mas também de regatas, e precisava de um escudo novo, que mostrasse essa mudança para todos e não fosse apenas “uma bolinha com uma bandeira no meio”.  Amigos de Rebolo o chamaram para conversar e o artista aceitou de bate-pronto.

“Nós discutimos (o novo escudo) e eu dei a ideia daqueles remos, da âncora. Sugeri o tema e pintei o distintivo na sede do clube. Havia medalhões, onde fui pintando, sempre na sequência, um distintivo, uma paisagem, um distintivo, uma paisagem. Na arquibancada do Parque São Jorge, também pintei o novo emblema”.Rebolo, em entrevista aos sociólogos Antonio Gonçalves e José Rodrigues Barbosa, em 1977.

Depois de finalizar o escudo, Rebolo estava definitivamente na história. O Corinthians adotaria em definitivo o emblema, que sempre está presente em eleições dos escudos de futebol mais bonitos do mundo.

Crescendo cada vez mais na área artística, ainda mais depois da criação do símbolo do Timão, Rebolo transferiu seu atelier de pintura e decoração para uma sala no Palacete Santa Helena, na Praça da Sé, em 1934. No ano seguinte, juntamente com Mario Zanini e, posteriormente, outros artistas, ele criou o Grupo Santa Helena, que foi a união espontânea de artistas que ocupavam as várias salas do Palacete. Manoel Martins, Fulvio Pennacchi, Bonadei, Clóvis Graciano, Alfredo Volpi, Humberto Rosa e Rizzotti foram os outros artistas que também mantiveram ateliers no local e integraram o Grupo. Ambos trocavam conhecimentos sobre técnicas de pintura e até economizavam na hora de pintar modelos-vivos (ao invés de cada um pagar para um (a) modelo, eles rachavam o valor e pintavam na mesma sessão). Em comum, os artistas tinham a origem ligada à imigração, o ofício de decorador de parede, a vocação autodidata e o apego à representação da realidade, característica que os fazia pintar paisagens, vistas dos subúrbios, arredores da cidade e praias visitadas nos fins de semana.

A obra “Futebol”, de Rebolo. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/obra1919/futebol>. Acesso em: 02 de Mai. 2017. Verbete da Enciclopédia.
ISBN: 978-85-7979-060-7

Rebolo, apesar de não se alinhar à ousadia das correntes mais avançadas do modernismo, colocava em suas pinturas muita técnica, lirismo e singeleza principalmente nas paisagens naturais, características que o tornaram um mestre no meio-tom.

“Rebolo retratou como ninguém os contrastes da vida urbana e seus arredores, aquela época predominantemente rurais”.Olívio Tavares de Araújo, crítico de arte e autor do prefácio do livro ‘Rebolo — 100 Anos’ (trecho extraído da Veja São Paulo, em 30 de abril de 2010).

Nos anos seguintes, o talento de Rebolo ganhou o Brasil e o mundo. Ele venceu a medalha de ouro no IV Salão Paulista de Belas Artes, o bronze no Salão Nacional de Belas Artes, participou da criação do Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM), em 1948, e ganhou o prêmio de viagem ao exterior no 3º Salão de Arte Moderna, no Rio de Janeiro, em 1954. Esse prêmio catapultou sua ida à Europa, em 1955, onde aprendeu novas técnicas e passou a pintar de maneira mais estrutural e geométrica, mas sem perder a capacidade incrível de tocar e emocionar. Em 1956, fez curso de restauração no Vaticano e teve a honra de restaurar, inclusive, uma obra do gênio Rafael (1483-1520). Nos anos 1960, arriscou-se na gravura. Nos anos 1970, usou mais tintas acrílicas para pinturas chapadas, mas manteve a figuração e as pinturas de paisagem e naturezas-mortas até o fim da vida.

Casa com Terraço e Mulher (Vista do Santa Helena), de Rebolo. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/obra3125/casa-com-terraco-e-mulher-vista-do-santa-helena>. Acesso em: 02 de Mai. 2017. Verbete da Enciclopédia.
ISBN: 978-85-7979-060-7

 

Praça Clóvis, de Rebolo. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/obra3104/praca-clovis>. Acesso em: 02 de Mai. 2017. Verbete da Enciclopédia.
ISBN: 978-85-7979-060-7

Rebolo faleceu em 10 de julho de 1980 como um dos mais importantes pintores brasileiros. Com um pouco de tinta e uma tela, ele fazia arte. Pura arte. E, no logo do Corinthians, fez uma obra que segue cravada no coração de milhões de torcedores e em uma camisa centenária. Para quem diz que futebol não é arte, Rebolo é a prova contrária. Futebol é (muita) arte.

 

4 thoughts on “Rebolo – Arte e Futebol

  1. È verdade , está sempre em eleições dos escudos de futebol mais bonitos do mundo, talvez por ser tão diferente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *