Esquadrão Imortal – América de Cali 1982-1987


Em pé: Luis Eduardo Reyes, Hugo Valencia, Julio César Falcioni, Juan Penagos e Jorge Porras. Agachados: Juan Manuel Battaglia, Víctor Espinosa, Guillermo La Rosa, Willington Ortiz, César Cueto e Víctor Lugo.

 

Grandes feitos: Pentacampeão Colombiano (1982, 1983, 1984, 1985 e 1986) e Vice-campeão da Copa Libertadores da América (1985, 1986 e 1987). Foi o primeiro (e até hoje único) pentacampeão consecutivo da história do Campeonato Colombiano.

Time-base: Julio César Falcioni; Hugo Valencia, Henry Viáfara (Luis Reyes / Álvaro Aponte / Enrique Esterilla), Víctor Espinosa (Gonzalo Soto) e Jorge Porras (Gabriel Chaparro / Jairo Ampudia); Gerardo González Aquino (Juan Penagos / Carlos Ischia / Sergio Santín) e Pedro Sarmiento (Alexander Escobar / Víctor Luna); Willington Ortiz (Antony de Ávila), Ricardo Gareca (Roque Alfaro / Guillermo La Rosa), Roberto Cabañas (Humberto Sierra / César Cueto) e Juan Manuel Battaglia (Víctor Lugo / Hernán Herrera). Técnico: Gabriel Ochoa Uribe. 

 

“Isso é coisa do Diabo!”

 

Por Emmanuel do Valle

Personagens por Guilherme Diniz

 

A quantidade de astros sul-americanos reunidos pelo América de Cali em seus elencos luxuosos ao longo dos anos 1980 realmente impressiona. Embora seja difícil dissociá-la da presença de figurões do narcotráfico garantindo sua sustentação financeira (algo, diga-se, muito disseminado pelo futebol colombiano naquele período), a era de ouro vivida pelos Escarlatas levou o clube a uma hegemonia nacional que se traduziu num inédito pentacampeonato consecutivo, ainda que o sonho do título continental tenha batido na trave por três vezes seguidas, uma trágica sina que parecia penitência pelo estreito laço com o obscuro. É hora de relembrar as curiosidades, feitos e tudo o que envolveu um dos maiores esquadrões da história do futebol colombiano no século XX.

 

Uma história de lendas e controvérsias

No fim dos anos 1970, os irmãos Gilberto e Miguel Rodríguez Orejuela, chefes do Cartel de Cali e acionistas de vários empreendimentos, almejaram entrar para o mundo do futebol. Inicialmente, tentaram comprar ações do Deportivo Cali (clube do qual, segundo algumas fontes, Miguel era torcedor), mas se viram impedidos pelo presidente Álex Gorayeb, uma vez que a agremiação já contava com uma forte base de associados que garantiam sua sustentação financeira. O próprio estatuto não permitia acionistas majoritários, como queriam os Orejuela.

A saída foi bater à porta do rival América, de torcida expressiva, mas que, até aquele momento (1977), nunca havia conquistado o Campeonato Colombiano. Fundado oficialmente em 1927, mas com origens remontando a 1918, o clube nasceu com as cores azul celeste e branco, inspiradas no Racing argentino. Mas tempos depois já mudaria para o marcante vermelho que lhe renderia o apelido de “Diablos Rojos”, dado por um cronista argentino.

No fim dos anos 1940, o clube deixou seu status de amador ao se filiar à Dimayor, liga profissional colombiana, o que teria provocado, segundo uma das versões da história, a suposta “maldição de Garabato”: Benjamín Urrea, apelidado “Garabato”, fora um dos sócios-fundadores do clube e, em represália à inscrição, havia amaldiçoado todos os jogadores e dirigentes do América. Dizia-se, ainda no fim dos anos 1970, que esse era o motivo do jejum de títulos.

Mas isso mudaria radicalmente com a chegada dos irmãos Rodríguez Orejuela ao quadro de associados, incorporando-se também à junta diretiva do clube presidido pelo atuante Giuseppe “Pepe” Sangiovanni. A comissão também incluía nomes insuspeitados como o advogado Manuel Francisco Becerra, assessor jurídico, e a gerente de futebol Beatriz Uribe de Borrero, primeira mulher a ocupar um cargo administrativo de uma agremiação do esporte no país.

Os líderes do cartel de Cali, Gilberto e Miguel Rodríguez Orejuela.

 

A presença de chefões do narcotráfico na direção de clubes colombianos, em geral com o objetivo de lavagem de dinheiro, se tornaria algo corriqueiro a partir da década seguinte. Em Bogotá, José Gonzalo Rodríguez Gacha, conhecido como “El Mexicano”, tinha forte influência no Millonarios. Já Pablo Escobar, o líder do cartel de Medellín, também era apontado como nome poderoso junto ao Atlético Nacional e ao Independiente Medellín – este, seu verdadeiro clube do coração. Fernando Carrillo Vallejo se tornou o primeiro narco a controlar o Independiente Santa Fe, antes de outros o substituírem. Até clubes menores contavam com seus “padrinhos”.

Em 1980, os irmãos Rodríguez Orejuela se tornaram acionistas majoritários do América depois de, no ano anterior, terem chegado muito perto de contratar um certo jovem meia argentino chamado Diego Armando Maradona. Também em 1979, os Diablos Rojos “exorcizaram” a maldição de Garabato, levantando pela primeira vez o título colombiano ao vencerem o Unión Magdalena em casa por 2 a 0 no dia 19 de dezembro.

A conquista teve também a marca de um grande vencedor do futebol colombiano. Considerado um dos maiores preparadores e estrategistas do país em todos os tempos, o técnico Gabriel Ochoa Uribe voltava ao clube onde iniciara a carreira como jogador: havia sido goleiro do América em sua temporada de estreia na Dimayor, passando logo depois ao Millonarios, onde jogaria ao lado de Alfredo Di Stéfano e levantaria quatro títulos da liga e um da Copa Colômbia.

Gabriel Ochoa Uribe, o técnico que mudaria para sempre a história do América.

No intervalo de dois anos entre suas duas passagens pelos Albiazules, Ochoa Uribe veio jogar no Brasil, defendendo outro America, o do Rio de Janeiro, chegando ao vice-campeonato carioca em duas temporadas. Para aproveitar a estadia no Rio, Uribe, por sugestão do técnico Martim Francisco, começou a cursar Medicina. O diploma renderia a ele o apelido de “Doutor Uribe” ao longo de sua vitoriosa carreira como treinador, iniciada no próprio clube de Bogotá.

Ao todo, Ochoa Uribe teria quatro passagens pelo comando do Millonarios entre 1957 (quando ainda jogava) e 1977, levantando duas vezes a Copa Colômbia e cinco vezes a liga (quatro delas num período de cinco anos). Em passagem de quatro temporadas pelo rival Independiente Santa Fe, venceu outro título da liga em 1966. A conquista do campeonato de 1979 pelo América seria a primeira de suas sete pelos vallecaucanos.

Depois de encerrar o jejum de títulos nacionais, o objetivo do América era marcar seu nome no futebol sul-americano. Em 1980, ele disputaria a Copa Libertadores da América apenas pela segunda vez em sua história (a primeira havia sido dez anos antes) e tentaria ao menos igualar o feito do arquirrival Deportivo Cali, única equipe do país a chegar a uma final da competição, em 1978, quando foi derrotado pelo Boca Juniors. Além de somar mais títulos nacionais que os Diablos Rojos, os Azucareros também contavam com histórico bem superior no torneio continental, do qual haviam participado nove vezes: antes do vice em 1978, já haviam chegado às semifinais em 1977 e às quartas em 1969, além de sustentarem desde 1970 uma invencibilidade como mandante no Estádio Pascual Guerrero que chegaria a 25 partidas e só seria encerrada pelo Flamengo em 1981.

O América de 1979. Em pé: Wilson Américo Quiñónez, Luis Alegría Valencia, Gabriel Chaparro, Aurelio José Pascuttini, Luis Eduardo Reyes e Carlos Alfredo Gay. Agachados: Horacio Ferrín, Juan Manuel Battaglia, Gerardo González, Jorge Ramón Cáceres e Alfonso Cañon.

 

Com uma equipe ponteada pelo veterano e renomado goleiro uruguaio Ladislao Mazurkiewicz, o América passou sem problemas pela primeira fase na Libertadores de 1980, superando o Independiente Santa Fe e os equatorianos Emelec e Universidad Católica de Quito. Nas semifinais, o clube enfrentou o Internacional de Falcão e o Vélez Sarsfield, terminando em segundo lugar no triangular após, bizarramente, empatar seus quatro jogos em 0 a 0.

Mas os vallecaucanos ainda teriam de esperar um pouco por uma nova chance na competição. Em 1981, o país seria representado no torneio pelo Deportivo Cali (que conquistaria um resultado histórico ao eliminar o River Plate vencendo dentro do Monumental de Núñez) e pelo Atlético Junior. Já em 1982, seria a vez do Deportes Tolima (que chegaria às semifinais, caindo para o Cobreloa) e do Atlético Nacional participarem da competição.

Nesse ínterim, o América se reestruturou e montou um time forte, que logo rendeu frutos. O primeiro deles foi o seu segundo título colombiano, levantado ainda no fim de 1982. A equipe já contava então com nomes que marcariam aquela década no clube, como o goleiro argentino Julio César Falcioni, contratado após brilhar pelo Vélez contra os Diablos Rojos na Libertadores de 1980, e os paraguaios Jorge Battaglia e Gerardo González Aquino.

 

O início da hegemonia

O goleiro Falcioni, lenda dos Diablos.

 

O campeonato de 1982 foi dividido em dois torneios, Apertura e Finalización, mais um octogonal final. No Apertura, os 14 times se enfrentaram no sistema de pontos corridos em turno e returno. No Finalización, os clubes eram divididos em dois grupos: o A, reunindo os sete primeiros colocados do Apertura, e o B, com os sete piores. Para o octogonal decisivo, em turno e returno, classificariam-se os cinco melhores do Grupo A e os três melhores do B.

O América de Cali, que já havia terminado como líder do Apertura e do Grupo A do Finalización, levou o título no octogonal com uma rodada de antecipação, ao bater o Millonarios por 1 a 0 em pleno El Campín, em Bogotá, com gol do meia Juan Caicedo. Na etapa decisiva, o clube acumulou oito vitórias, quatro empates e apenas duas derrotas. Humberto “Beto” Sierra foi o artilheiro do time, com 22 gols, enquanto o argentino Roque Alfaro anotou outros 16.

De volta à Libertadores, o time conseguiu um reforço de peso para tentar chegar longe – ou mesmo conquistar o título inédito – ao tirar do rival Deportivo Cali o meia-atacante Willington Ortiz, considerado um dos maiores jogadores colombianos da história. Revelado pelo Millonarios, era um ponta-de-lança muito veloz, driblador e criativo, que brilhou na já citada vitória dos Azucareros sobre o River Plate em Buenos Aires em 1981. Na mesma época, despontava nos Escarlatas um atacante igualmente veloz e habilidoso que marcaria época no clube: o pequeno Antony de Ávila, apelidado “El Pitufo” (nome em espanhol dado aos Smurfs). Era mais uma arma ofensiva numa equipe de defesa firme, comandada pelos sólidos Victor Espinosa e Luis Eduardo Reyes, e de rápidos contra-ataques, também puxados do lado esquerdo pelo ponteiro argentino Daniel Teglia.

Ortiz, uma das estrelas do ataque do América.

 

Essa equipe fez ótima campanha na primeira fase da Libertadores, enfrentando o Tolima e os peruanos Universitario e Alianza Lima. Empatou seus dois primeiros jogos (contra o Tolima, em Cali, e o Universitario, em Lima), mas deslanchou em seguida, vencendo os outros quatro e garantindo a classificação às semifinais com uma rodada de antecipação. Na fase seguinte, no entanto, duelos mais complicados aguardavam pela equipe dirigida por Ochoa Uribe.

O Grêmio e o Estudiantes eram os adversários no triangular, e abriram o grupo com vitória dos gaúchos por 2 a 1 em Porto Alegre. O América estreou na segunda rodada derrotando o Tricolor por 1 a 0, em Cali, gol de Battaglia. Porém, duas derrotas fora de casa deixaram o time quase sem chances. Com o empate em 3 a 3 no jogo da volta entre os dois adversários, na famosa Batalha de La Plata, os Escarlatas estavam eliminados, fechando a campanha com um 0 a 0 contra os pincharratas em Cali – que, por tabela, tirou os argentinos da competição e botou os gaúchos em sua primeira final.

O bi em um campeonato caótico

Battaglia, ídolo da torcida.

 

O bicampeonato nacional, no fim do ano, fez nascer uma nova esperança. E com Willington Ortiz em grande forma, anotando 22 gols e se sagrando o goleador da equipe na campanha, o América superou até mesmo um regulamento bastante confuso, de fazer inveja a muitos campeonatos estaduais brasileiros, num ano em que as etapas do torneio mudaram de nome: o Apertura virou Copa de la Paz e o Finalización passou a se chamar Torneo Nacional.

Para começar, na primeira parte do campeonato, a Copa de la Paz, as 14 equipes foram divididas em dois grupos de sete com jogos dentro das chaves em turno e returno, e com os rivais locais colocados em grupos separados. Porém, a cada rodada, dois desses rivais se enfrentavam no clássico intergrupal da rodada, fazendo com que os times, ao fim daquela etapa, disputassem 14 partidas em vez de 12.

Em seguida, os campeões dos grupos A e B se enfrentavam disputando uma pontuação bônus: o vencedor levava um ponto, e o perdedor ficava com 0,75. O mesmo acontecia entre os segundos das duas chaves, só que o ganhador do confronto acrescentava 0,5 e o perdedor, 0,25. Nesta confusa primeira etapa, o América terminou apenas em terceiro no Grupo B e não avançou para as disputas de pontos extras. Já o Torneo Nacional era bem mais simples, com as 14 equipes se enfrentando no tradicional sistema de pontos corridos, em turno e returno. Mas, ao final dele, também havia a distribuição de pontos bônus, cabendo aos quatro primeiros colocados, na ordem, as mesmas frações acrescentadas na Copa de la Paz. Neste Torneo Nacional, o América terminou em segundo, ganhando 0,75 pontos extras. 

No octogonal, embora tivesse feito a melhor campanha descontando as bonificações, o América levou o título justamente por essa diferença. Mas não sem dramas: na penúltima rodada, uma derrota em Medellín para o Atlético Nacional por 1 a 0 fez com que não só os Verdolagas, como também o Atlético Junior, que haviam carregado um ponto extra das fases prévias, encostassem na liderança e também chegassem com chance de levantar a taça. 

O título, então, foi decidido somente na última rodada. O América recebeu o Millonarios no Pascual Guerrero, abriu o placar com gol do ponta Victor Lugo, mas sofreu o empate em 1 a 1, resultado que o deixava sem outra opção a não ser torcer por um empate entre os outros dois postulantes ao título, que se enfrentavam em Barranquilla. Deu certo: Junior e Nacional também ficaram no 1 a 1, dando de bandeja o bicampeonato aos Escarlatas.

Obstáculos brasileiros

Roque Alfaro e Daniel Teglia deixaram o clube e retornaram ao futebol argentino assinando com o River Plate no início de 1984. Para suprir as lacunas, o clube trouxe uma dupla peruana ainda mais experiente: o habilidoso meia César Cueto e o corpulento centroavante Guillermo La Rosa, ambos com participações nas Copas de 1978 e 1982 pela seleção inca. La Rosa também havia se sagrado artilheiro em uma Libertadores, marcando oito gols pelo Alianza Lima em 1978.

Outros nomes que ganhavam mais espaço no time eram o zagueiro Jorge Porras (trazido do Atlético Nacional no ano anterior), o versátil volante Juan Penagos e o habilidoso ponteiro esquerdo Armando “El Pollo” Díaz, outra figura que se destacava na base. No entanto, aquela foi a temporada menos exitosa na Libertadores, com a eliminação ainda na primeira fase. O América teve a companhia do Atlético Junior e dos brasileiros Flamengo e Santos. E estreou bem, derrotando os Tiburones por 2 a 0 em Cali. Em seguida, recebeu os brasileiros, empatando em 1 a 1 com os cariocas e vencendo os paulistas por 1 a 0, gol de Battaglia. Porém, uma goleada de 4 a 1 para o Junior em Barranquilla começou a complicar a situação dos Diablos Rojos, que veriam o Fla disparar na liderança ao triturar o Peixe no Morumbi por 5 a 0.

O elenco do América em visita ao Corcovado, em 1984.

 

Chegava então a vez de jogar no Brasil. E o primeiro resultado foi mais que animador: uma vitória histórica de 1 a 0 sobre o Santos, também no Morumbi – a primeira do futebol colombiano sobre uma equipe brasileira na casa do adversário. Difícil seria repetir o milagre no Maracanã contra um Flamengo embalado. E o sonho terminou com uma derrota por 4 a 2. Cueto marcou duas vezes, mas Adílio, Bebeto, Élder e Edmar selaram a eliminação escarlata.

O jeito foi mais uma vez juntar os cacos e tentar o tricampeonato nacional, num torneio que manteve integralmente o confuso regulamento de 1983. Desta vez, o América foi o melhor em todas as etapas. Na Copa de la Paz, venceu o Grupo B e derrotou o Junior na decisão do ponto extra. No Torneo Nacional, terminou na liderança, um ponto à frente do Atlético Nacional. No octogonal, porém, as dificuldades aumentaram. Na última rodada, os Escarlatas venceram o Atlético Nacional por 1 a 0 no Pascual Guerrero com gol do zagueiro Luis Eduardo Reyes, apelidado “El Hombre de Hierro”, escorando cruzamento na pequena área. Mas não era o suficiente: era preciso que o Millonarios não vencesse o Junior em Barranquilla. Foi o que aconteceu: os Tiburones bateram os visitantes e entregaram de bandeja a taça aos Diablos Rojos, que levaram o tricampeonato graças aos pontos extras.

Aquela campanha também ficou marcada pela quebra de um recorde histórico que já durava 17 anos: durante o torneio, o América chegou a ficar 23 jogos seguidos sem perder, superando os 22 alcançados pelo próprio clube em 1967. A sequência só seria encerrada com uma derrota para o Once Caldas por 1 a 0 em Manizales. No futebol colombiano, a marca seria batida pelo Millonarios de 1999, que permaneceu 29 jogos invicto.

Timaço completo

Roberto Cabañas.

O ano de 1985 marca a intensificação sem precedentes nos investimentos para reforçar o elenco. Se o clube já contava com a equipe mais forte do país, passaria a ter uma das mais qualificadas do continente – e também uma das folhas salariais mais altas do futebol sul-americano. Para se ter uma ideia do poderio financeiro do clube, o América tirou do rival Deportivo Cali o veterano goleiro Pedro Zape, titular da seleção, apenas para ficar na reserva de Falcioni.

Mais impactantes foram os reforços para o ataque. Primeiro, o clube aproveitou o fim das atividades da North American Soccer League (NASL), no fim do ano anterior, para assinar com o atacante paraguaio Roberto Cabañas, que vinha defendendo com destaque o New York Cosmos desde 1980. Depois, em meados de 1985, buscou na Argentina o goleador Ricardo Gareca, que havia recentemente se transferido de maneira polêmica do Boca Juniors para o River Plate.

Os dois atacantes eram nomes regulares nas seleções de seus países. Gareca, ainda naquele ano de 1985, marcaria inclusive o gol agônico diante do Peru que daria à Albiceleste a classificação para a Copa do Mundo do México, torneio ao qual Cabañas também havia levado o Paraguai. Agora, toda essa tarimba internacional, municiada por Willington Ortiz, César Cueto, Jorge Battaglia e outros, estava a serviço dos Escarlatas.

O argentino Ricardo Gareca.

 

Naqueles tempos, o clube ainda se dava ao luxo de disputar parte do campeonato nacional com uma equipe reserva formada por jovens oriundos da base, como Antony de Ávila (que emprestava seu apelido a “Los Pitufos”, como aquele “expressinho” passou a ser conhecido), Armando Díaz e Álex Escobar, ou pescados em outros clubes, como o meia Hernán Darío Herrera, vindo do Atlético Nacional, e o atacante John Castaño, trazido do Deportivo Pereira.

A maior sequência de títulos nacionais do futebol colombiano até então era o tetracampeonato levantado pelo Millonarios entre 1961 e 1964, curiosamente sob o comando de Gabriel Ochoa Uribe nos três primeiros. Em 1985, enquanto mais uma vez tentaria chegar longe na Libertadores, o América buscaria também igualar essa marca. E conseguiria, mesmo desfalcado de Falcioni e Zape por lesão na reta final, com o terceiro goleiro Reynel Ruiz dando conta do recado. Na Copa de la Paz, o América terminou em segundo no Grupo B e derrotou o Deportivo para ficar com os 0,5 pontos de bonificação. Já no Torneo Nacional terminou em primeiro, dois pontos à frente dos Azucareros. Veio então o octogonal, e o clube voltaria a registrar um importante resultado sobre o rival na penúltima rodada – 1 a 0, gol de Gareca – antes de confirmar o título batendo o Junior com gol de cabeça de Battaglia no dia 22 de dezembro.

Naquele ano, além de igualar o tetra do Millonarios, o clube também alcançaria enfim a decisão da Libertadores. Porém, assim como o rival Deportivo em 1978, ficaria sem o título. Na primeira fase, teve como adversários os Millos, o Cerro Porteño e o Guaraní do Paraguai. Após empatar seus quatro primeiros jogos (três deles por 0 a 0), engrenou nos dois últimos, quando recebeu os paraguaios. No dia 31 de março, os vallecaucanos derrotaram o Cerro Porteño por 2 a 0. E, três dias depois, foi a vez de bater o Guaraní por 2 a 1. Em ambos os jogos, os gols foram marcados pelo zagueirão Luis “El Hombre de Hierro” Reyes e por Willington Ortiz. Os dois triunfos de última hora serviram para que o América terminasse em primeiro num grupo bem equilibrado e passasse às semifinais, nas quais enfrentaria o Peñarol e o El Nacional de Quito.

Ortiz em um duelo contra o Universitario-PER.

 

A etapa seguinte só começaria cinco meses depois, com o América abrindo o triangular diante do Peñarol em Montevidéu e arrancando um empate em 1 a 1 no dia 18 de setembro. Quatro dias depois, em Quito, a equipe sucumbiu ao El Nacional, perdendo por 2 a 0. Os uruguaios bateram os equatorianos no terceiro jogo e embolaram o grupo. Mas os Escarlatas teriam suas duas partidas restantes em casa. Empurrados pela torcida, fariam jogos memoráveis.

Os carboneros contavam com alguns nomes da Celeste, como Fernando Álvez, José Herrera, Miguel Bossio e José Perdomo, segurando o empate sem gols no primeiro tempo. Mas, quando Gareca abriu o placar aos 11 minutos da etapa final, não houve mais como conter um Pascual Guerrero em ebulição: Cabañas anotou o segundo aos 19’, Battaglia ampliou, aos 27’, e de novo Cabañas fechou a goleada de 4 a 0 a dois minutos do fim.

Em seguida, o El Nacional bateu o Peñarol por 2 a 0 e manteve suas chances de ir à final. Precisava, porém, superar os Diablos Rojos em seu caldeirão. Ficou na tentativa: com três gols de Gareca, um de Cabañas e outro de Willington Ortiz, o América enfiou implacáveis 5 a 0, seguindo confiante para sua primeira final diante do surpreendente Argentinos Juniors – um clube pequeno, mas ascendente de Buenos Aires, que estreava na competição naquele ano.

O Bicho, como era conhecido, havia superado os brasileiros Fluminense e Vasco e derrotado o Ferro Carril Oeste num jogo extra para avançar na primeira fase. Depois, carimbou a vaga na final batendo o Independiente, atual campeão do torneio, em Avellaneda. Combinava a experiência do goleiro Enrique Vidallé e do zagueiro Jorge Olguín a revelações como o meia Sergio Batista e o atacante Claudio Borghi, dois nomes que logo estariam na Albiceleste.

Festa do Argentinos campeão de 1985.

 

O primeiro jogo foi disputado no Monumental de Núñez e terminou com vitória do Argentinos Juniors por 1 a 0, gol de cabeça de Emilio Comisso. Mas, no Pascual Guerrero, o América devolveu o placar com um belo gol de Willington Ortiz. Um terceiro jogo foi marcado para 24 de outubro, no Defensores del Chaco, no Paraguai. Comisso colocou de novo o Bicho em vantagem, mas uma testada forte de Gareca deixou tudo igual para os colombianos ainda no primeiro tempo. A decisão foi para os pênaltis, com as duas equipes convertendo as quatro primeiras cobranças. Na última da série regular, o batedor escalado pelo América era o goleiro Falcioni, que se negou a cobrar. A responsabilidade recaiu então sobre os ombros do “Pitufo” De Ávila, então com 21 anos. E seu chute fraco, no meio do gol, foi defendido sem problemas por Vidallé. Em seguida, Mario Videla converteu seu chute, e o Argentinos sagrou-se campeão.

O penta histórico

Uma das escalações do América em 1985. Em pé: Gonzalo Soto, Henry Viáfara, Hugo Valencia, Jairo Ampudia, Juan Penagos e Enrique Simón Esterilla. Agachados: Pedro Sarmiento, Roberto Cabañas, Willington Ortiz, Ricardo Gareca e Pedro Antonio Zape.

 

Coincidentemente, a principal contratação para 1986 seria a de um argentino, o volante Carlos Ischia, que atuava há alguns anos no país, defendendo o Junior. Por outro lado, os peruanos Cueto e La Rosa deixaram o clube seguindo para o pequeno Deportivo Pereira. Enquanto isso, outros nomes surgiam na base e reforçavam “Los Pitufos” no campeonato nacional, como o defensor Enrique Esterilla e o rápido atacante Albeiro Usuriaga.

O torneio daquele ano havia sofrido apenas mudanças de nomenclatura nas fases: a Copa de la Paz passou a se chamar Torneo José Eduardo Gnecco (nome de um jurista da Suprema Corte assassinado em novembro de 1985 por guerrilheiros do grupo M-19), enquanto a segunda parte recebeu o nome de Torneo Edmer Tamayo Marín, em homenagem ao ex-presidente do Millonarios, vitimado por uma embolia em fevereiro de 1986.

Aliás, a perspectiva de conquistar o pentacampeonato, inédito no futebol do país, enchia tanto ou até mais os olhos dos jogadores e do técnico Ochoa Uribe do que a Libertadores. No torneio continental, o América superou a primeira fase de forma invicta, à frente do rival Deportivo Cali e dos chilenos Cobresal e Universidad Católica. Uma vitória por 3 a 1 diante deste último em Santiago, com dois gols de Willington Ortiz, confirmou a passagem às semifinais.

O 11 ideal do América: com tanto talento lá na frente, o técnico Uribe escalava o time muitas vezes no 4-2-4.

 

No triangular, o time fez os dois primeiros jogos fora de casa e somou só um ponto, ao empatar com o Olimpia em Assunção. Uma derrota para o Bolívar em La Paz chegou a complicar a situação da equipe. Mas, diante do equilíbrio entre as três equipes, duas vitórias no Pascual Guerrero nos jogos de volta, com Gareca sendo mais uma vez decisivo, fizeram a diferença para que os vallecaucanos chegassem a outra decisão, agora contra o River Plate.

Foi a final menos sofrida das três para o América, uma vez que o gigante argentino – buscando a todo custo seu primeiro título na competição – não deu a menor chance. O destaque das finais foi o atacante Juan Gilberto Funes, que por coincidência atuara no futebol colombiano até o meio daquele ano. O River chegou a abrir 2 a 0 no primeiro jogo em Cali, antes de Cabañas diminuir. Na volta, no Monumental de Núñez, um gol de Funes confirmou o título portenho.

Antonio Alzamendi, do River Plate, durante a final contra o América de Cali, no Estádio Monumental, em Buenos Aires, 29 de Outubro de 1986 (Photo by Alain de Martignac / Onze / Icon Sport ).

 

A nova derrota na decisão do torneio continental foi plenamente compensada com o sonhado penta. Para isso, porém, foi necessária uma campanha de recuperação, depois de os Escarlatas terminarem apenas em 4º no torneio inicial e em segundo no posterior, levando só um ponto de bonificação para o octogonal decisivo. Mesmo assim, o time embalou na reta final e levantou a taça com uma rodada de antecipação no clássico local. O Deportivo Cali era o mandante daquela partida de 17 de dezembro de 1986, o que significava ter maioria nas arquibancadas. Os Azucareros também contavam com uma boa equipe, na qual se destacavam o experiente goleiro paraguaio Roberto “Gato” Fernández, o ascendente meia Carlos “El Pibe” Valderrama e uma dupla de jovens atacantes que logo chegariam à seleção colombiana: Bernardo Redín e Sérgio “Checho” Angulo.

Mas o América tinha talento de sobra, como ficou evidenciado pelo golaço de Roberto Cabañas que abriu a contagem, já no segundo tempo: o paraguaio recebeu a bola na intermediária, livrou-se de três defensores de uma só vez, arrancou para a área, evitou uma falta, driblou “Gato” Fernández e, mesmo desequilibrado e sem ângulo, tocou para as redes. O Deportivo Cali, porém, empatou pouco depois num chutaço de fora da área do defensor Gumercindo Riascos.

De Ávila marca em um clássico contra o Deportivo, em 1987.

 

Os Escarlatas passariam novamente à frente aos 22 minutos, quando Willington Ortiz acertou a trave em cobrança colocada de falta frontal e Ricardo Gareca, com muito oportunismo, emendou um peixinho no rebote para mandar a bola à meta vazia. E confirmariam a vitória – e a conquista – aos 36’, com gol de Carlos Ischia em grande jogada individual, após interceptar um passe na lateral direita e arrancar por aquele setor até vencer “Gato” Fernández.

Assim, mesmo com a derrota para o Atlético Nacional por 3 a 2 na última rodada, num jogo em que pouparam vários titulares, os Diablos Rojos terminaram 1,75 ponto à frente do rival local. Nas comemorações, o nome mais festejado era o do técnico Ochoa Uribe – que no ano anterior acumulara o cargo com o de técnico da seleção colombiana nas Eliminatórias. Com o penta à frente do América, ele chegava ao seu 12º título colombiano.

A última chance

Aquela conquista marcaria ainda a despedida de alguns nomes do elenco. O volante paraguaio Gerardo González Aquino e o zagueirão Luis Eduardo Reyes se aposentaram, com este passando a dirigir as categorias de base do clube. Carlos Ischia retornou ao Atlético Junior após disputar apenas uma temporada com os Escarlatas. Porém, além de outros nomes jovens que surgiam na base, o elenco ganhou novas estrelas internacionais. Para 1987 chegaram o meia uruguaio Sergio Santín, que disputara a Copa do Mundo do México pela Celeste e defendera o Santos no ano anterior, e o ponta-de-lança peruano Julio César Uribe, grande promessa de seu país no início da década e que chegara a ser eleito o 3º melhor jogador sul-americano em 1981 (atrás de Zico e Maradona), mas que passara sem muito sucesso pelo futebol italiano defendendo o Cagliari e agora era trazido do Atlético Junior.

A campanha na Libertadores de 1987 foi repleta de momentos épicos, do começo ao fim. Na fase inicial, o clube enfrentou Deportivo Cali, The Strongest e Oriente Petrolero no Grupo 2, que só se definiu com as visitas da dupla boliviana à Colômbia, em junho. Os placares dilatados das vitórias dos Azucareros sobre os visitantes colocaram o América na obrigação de vencer o aurinegro de La Paz por pelo menos seis gols de diferença no último jogo. E a vitória veio exatamente pelo placar de 6 a 0, com dois de Gareca, dois de Battaglia e outros dois de Santiago Escobar. O resultado forçava um jogo extra entre os rivais vallecaucanos pela definição da vaga. A partida aconteceu num Pascual Guerrero pulsante, mas terminou sem gols após tempo normal e prorrogação. Na decisão por pênaltis, Falcioni pegou as cobranças de Armando Osma e Alfredo Mendoza, classificando os Escarlatas.

Gareca e uma de suas habituais bicicletas.

 

Na fase semifinal, os adversários seriam o perigoso Cobreloa (que despachara em seu grupo o São Paulo de Careca e Müller e o Guarani de Evair e João Paulo, além do Colo-Colo) e o Barcelona de Guayaquil (que eliminara o Olimpia). Logo de saída, o América conseguiu um ótimo resultado ao empatar com os chilenos em Calama por 2 a 2. Em seguida, venceu os equatorianos também fora de casa por 2 a 0, deixando a vaga para ser confirmada em Cali.

Porém, o Cobreloa deu o troco no confronto da volta, fazendo os Escarlatas pararem no 1 a 1 em casa, com gols de Battaglia e Letelier. A classificação direta só viria agora com uma vitória por pelo menos quatro gols de diferença sobre o Barcelona, que se transformara no fiel da balança da chave. E, assim como na primeira fase, ela veio justamente desse jeito: 4 a 0 América (dois de Gareca, um de Battaglia e um de Willington Ortiz), selando a passagem à final.

O Peñarol, adversário da final, chegava para tentar sua quinta conquista da Libertadores com uma equipe totalmente reformulada com relação àquela que disputara as decisões de 1982 e 1983, levando o título na primeira. No time do técnico Óscar Tabárez, o destaque era a firme defesa liderada pelo lateral José Herrera e pelo zagueiro Obdulio Trasante e auxiliada pelos volantes José Perdomo e Gustavo Matosas. Na frente, havia o goleador Diego Aguirre. Os carboneros vinham de duas vitórias categóricas sobre o Independiente nas semifinais (3 a 0 em Montevidéu e 4 a 2 em Avellaneda), resultado que os permitiu até mesmo perder para o River Plate em Núñez no último jogo do triangular (1 a 0) sem comprometer a classificação. Mas no primeiro jogo da decisão, em Cali, quem deu as cartas foi o América. Um gol de falta de Battaglia e belo chute da intermediária de Cabañas decretaram a vitória por 2 a 0.

Times entrando em campo no Estádio Nacional de Santiago.

 

O título continental esteve ainda mais perto quando Battaglia descolou ótimo lançamento para Cabañas, que cabeceou tirando do alcance de Eduardo Pereira, abrindo o placar do segundo jogo, no Estádio Centenário, em Montevidéu, aos 19 minutos de partida. Mas uma cabeçada de Diego Aguirre após escanteio deixou tudo igual aos 23 minutos da etapa final. E uma cobrança perfeita de falta de Jorge Villar decretou a virada dos carboneros a três minutos do fim.

Aguirre e a comemoração para a eternidade.

 

Mesmo assim ainda haveria o terceiro jogo em Santiago. E, em caso de empate no tempo normal, a decisão seguiria para a prorrogação, com o América (que levava a melhor no saldo de gols das duas partidas anteriores) podendo jogar pela igualdade para levantar a taça. Numa partida tensa, os Escarlatas tiveram Cabañas expulso junto com o uruguaio José Herrera e viram Gareca ter de ser substituído ainda no tempo normal, mas resistiram. Até que, aos 14 minutos e 58 segundos do segundo tempo da prorrogação, após um insistente bate-e-rebate na intermediária do América, a bola chegou aos pés de Jorge Villar, que esticou na frente para Diego Aguirre, que entrava na área em velocidade. O chute saiu forte e cruzado, sem chances para Falcioni. Por sobre a linha, ao ver a bola entrar, o lateral Jairo Ampudia colocava as mãos no rosto e chorava desconsolado e mergulhado em profunda incredulidade: o América, pela 3ª vez seguida, era vice da Libertadores…

LEIA TAMBÉM – Jogos Eternos – Peñarol 1×0 América de Cali 1987

 

Epílogo: uma nova realidade

Como se não bastasse mais uma decepção na Libertadores, aquele ano marcaria também a perda da hegemonia nacional: o título colombiano ficaria com o Millonarios, que terminaria o octogonal não só com a melhor campanha em sentido absoluto, como também com mais pontuação extra. Mas o América ainda seria capaz de salvar a temporada com um vice-campeonato (e uma nova vaga no torneio continental) obtido em condições adversas.

Na última rodada do octogonal o time visitaria o Atlético Nacional, que precisava apenas de um empate para garantir o segundo lugar e a classificação para a Libertadores. Após um primeiro tempo sem gols, os donos da casa tiveram a chance de abrir a contagem quando Hugo Valencia cometeu pênalti ao salvar um gol certo com a mão, em cima da linha. Juan Jairo Galeano foi para a cobrança, mas Falcioni saltou no canto certo e defendeu o chute.

Na metade da etapa final, para aumentar o drama dos Verdolagas, o América marcou. Battaglia foi acionado após um escanteio curto e cruzou para a área. Willington Ortiz apareceu para desviar e silenciar o estádio Atanasio Girardot. Que, no entanto, voltou a se incendiar no último minuto, quando o árbitro apitou pênalti duvidoso para a equipe da casa. Era a chance do empate. Mas Falcioni voltou a ser o herói dos Escarlatas, pegando a cobrança de Humberto Sierra.

O América chegaria longe novamente na Libertadores de 1988, mas não tanto quanto nos anos anteriores. Cairia nas semifinais diante do futuro campeão Nacional de Montevidéu – de quem ficara à frente no Grupo 3 da primeira fase. Enquanto isso, sua hegemonia nacional se tornava cada vez mais pertencente ao passado: o clube terminaria o octogonal final apenas em terceiro lugar e estaria fora do torneio continental de 1989. Assim, assistiria – sem ter como impedir – à conquista da Libertadores pelo Atlético Nacional, que se tornava o primeiro clube do país a faturar o caneco. Aquele triunfo também simbolizava a afirmação de uma nova geração de jogadores, que elevariam o futebol colombiano de patamar no contexto sul-americano. Algo para o qual a seleção já contribuía desde 1987, quando Francisco Maturana – homem ligado aos Verdolagas – assumiu o comando.

Naquele momento, os grandes astros do América aos poucos já ensaiavam sua saída. Roberto Cabañas trocara o clube pelo futebol francês no início de 1988. Willington Ortiz penduraria as chuteiras ao fim da mesma temporada, aos 36 anos. Ricardo Gareca retornaria à sua Argentina para defender o Vélez Sarsfield em meados de 1989. E este seria ainda o último ano de Julio César Falcioni, Juan Manuel Battaglia e Sergio Santín nas fileiras escarlatas.

Com um time bem modificado, os Diablos Rojos voltariam a ser campeões nacionais em 1990, na 13ª e última conquista de Gabriel Ochoa Uribe como treinador. Mais adiante, revelariam novos craques, levantariam outros títulos colombianos e chegariam a mais uma final da Libertadores, novamente perdida para o River Plate, em 1996. Mas o timaço dos anos 1980 segue sendo o ápice dos Escarlatas dentro da história do futebol local e continental.

 

Os personagens:

Julio César Falcioni: após vários anos de destaque no Vélez, o argentino chegou ao América em 1981 para se transformar em um dos mais laureados jogadores da história do clube. Com grandes atuações e muita regularidade, Falcioni foi um dos símbolos do time pentacampeão colombiano. Só não deveria ter se recusado a cobrar um pênalti na decisão da Libertadores de 1985, pois justamente o batedor que foi em seu lugar errou… Quem sabe ele não poderia ter mudado aquela história? Mesmo assim, Falcioni é tido como um dos maiores craques do América de Cali em todos os tempos e goleiro estrangeiro com mais títulos na história do futebol colombiano com cinco troféus. O argentino foi também o primeiro goleiro batedor de pênaltis no futebol colombiano – ele marcou 5 gols no total. Falcioni disputou 376 jogos pelo América.

Hugo Valencia: o lateral-direito tem 357 jogos na história do clube e começou a jogar nos Diablos em 1979. Muito forte e eficiente na marcação, foi um dos mais regulares atletas da equipe naquela era de ouro. 

Víctor Espinosa: o Patiño podia atuar tanto na zaga quanto no meio de campo, com características de marcação. Não era tão alto (1,73m), mas compensava com velocidade e bom senso de colocação. Foi capitão do time em boa parte do começo dos anos 1980.

Gonzalo Soto: o zagueiro teve presenças mais assíduas entre 1984 e 1985, jogando no miolo de zaga ao lado de Henry Viáfara. Após o vice da Libertadores de 1985, perdeu espaço no time titular.

Luis Reyes: o “homem de ferro” do América, grande expoente do sistema defensivo do clube por mais de 15 anos e que vestiu apenas a camisa roja na carreira, de 1971 até 1986. Colecionou títulos e marcou o gol histórico que assegurou o título nacional de 1984. Ídolo da torcida, acumulou 396 jogos com a camisa dos Diablos.

Álvaro Aponte: cria do clube, o defensor foi reserva em seu início no América, mas ganhou a titularidade principalmente entre 1986 e 1987 após demonstrar eficiência no jogo aéreo, bons cabeceios e liderança. Costumava aparecer nas zagas rivais em jogadas de escanteio e cobranças de falta para marcar gols de cabeça. Jogou de 1986 até 1991 e em 1993 nos Diablos.

Henry Viáfara: com passagens pela seleção colombiana – incluindo nos Jogos Olímpicos de 1980, em Moscou -, o zagueiro jogou de 1983 até 1986 no América e desempenhou muito bem sua função, principalmente na marcação.

Enrique Esterilla: outra cria das bases que começou a despontar principalmente em 1985 e marcou presença em jogos tanto do Campeonato Colombiano quanto da Libertadores. Jogava na zaga e tinha facilidade no jogo aéreo por conta da altura (1,90m) e boa impulsão.

Jairo Ampudia: um dos mais talentosos laterais-esquerdos de seu tempo, Ampudia tinha um potente chute de longa distância que causava pavor nos goleiros rivais. Foi assim que ele marcou a maioria de seus 48 gols na história do Campeonato Colombiano. Era muito veloz e cheio de vigor físico. Cria do América, jogou no clube de 1985 até 1991 e também em 1993.

Gabriel Chaparro: foram 340 jogos pelos Diablos na carreira e grandes atuações no lado esquerdo do setor defensivo. Chaparro chegou a ser capitão do América em alguns jogos e vestiu também a camisa da seleção colombiana.

Jorge Porras: outro nome de destaque do futebol colombiano nos anos 1980, Porras integrou a seleção cafetera nas Eliminatórias para as Copas de 1982 e 1986 e ainda o time que disputou as Olimpíadas de 1980. Podia atuar na lateral-esquerda e também no miolo de zaga. 

Víctor Luna: podia atuar como lateral e também mais avançado, no meio. Foram cinco temporadas no América – entre 1985 e 1989 – e o título nacional de 1986 no currículo.

Pedro Sarmiento: jogou de 1985 até 1989 nos Diablos atuando no meio de campo. Por conta da concorrência no setor, alternava partidas como titular e como suplente.

Alexander Escobar: chegou ao América ainda garoto, por meio do primo, Juan Penagos, e rapidamente ganhou espaço no time em meados de 1983, se firmando em 1984 como um eficiente meio-campista que não só ajudava na marcação como aparecia bem no ataque. Jogou de 1983 até 1996 no América e é o jogador com mais partidas disputadas na história do clube: 578 jogos, além de 88 gols marcados. Venceu cinco títulos nacionais pelo América e, no fim dos anos 1990, faturou outros quatro troféus pela LDU-EQU.

Sergio Santín: meio-campista uruguaio, Santín chegou em 1987 ao América já consagrado por suas passagens por vários clubes da Colômbia e também pela seleção uruguaia, inclusive com participação na Copa do Mundo de 1986. El Bocha jogou até 1990 nos Diablos e faturou o título nacional de 1990, além de ser titular na equipe vice-campeã da Libertadores em 1987.

Gerardo González Aquino: um dos principais nomes do time naquela era de ouro, era um “trator” no meio de campo, líder nato e capitão. Titular também da seleção do Paraguai, brilhou no América entre 1979 e 1986 e ficou conhecido como “Hombre de las Revoluciones”. Temperamental, Aquino não levava desaforo para casa e encarnava a paixão pelo América de um jeito único. Foram 312 jogos pelos Diablos.

Juan Penagos: meio-campista de muita força física e vitalidade, integrou o esquadrão do América entre 1983 e 1985, ajudando tanto na recomposição quanto na criação de jogadas. 

Carlos Ischia: um dos mais completos meio-campistas dos anos 1980, o popular box-to-box, que avançava ao ataque, recuava para ajudar na marcação e corria mais do que todo mundo. Ficou apenas um ano no América – 1986 – mas o suficiente para ser campeão colombiano, com direito a um golaço no clássico contra o Deportivo Cali que definiu o caneco aos Diablos naquele ano. Curiosamente aquele foi o único título na carreira do jogador.

Roberto Cabañas: o atacante paraguaio foi sem dúvida o reforço que “mudou o patamar” ofensivo do América naqueles anos 1980. Habilidoso, criativo e perito em marcar golaços, El mago de las cabañuelas virou ídolo da torcida e marcou 48 gols com a camisa roja entre 1984 e 1987, muitos deles decisivos para os títulos nacionais de 1985 (foi o artilheiro do time com 19 gols) e 1986. Além dos gols, fazia tabelinhas, dava passes e jogava por vezes como meia. Chegou a jogar, também, no lendário New York Cosmos entre 1980 e 1984. Disputou a Copa de 1986 pela seleção do Paraguai e venceu a Copa América de 1979. Um craque.

Humberto Sierra: cria das bases, jogou no América entre 1980 e 1984 e faturou os títulos nacionais de 1982, 1983 e 1984. Atuando mais no ataque, Sierra marcou 43 gols em 143 jogos pelos Diablos.

César Cueto: meia de muita habilidade e apelidado de “El Poeta de la Zurda”, foi outro grande talento peruano nos anos 1970. Com habilidade notável e plena visão de jogo, chegou já com 32 anos ao América, mas ainda sim encantou o público colombiano com seu futebol. Uma lesão em 1985 o tirou de campo por um ano e abreviou sua passagem pelos Diablos. Mesmo assim, disputou 34 jogos e marcou oito gols pelo América.

Willington Ortiz: um dos mais talentosos futebolistas colombianos do século XX e tido como melhor de seu país nos anos 1970 e 1980, Ortiz foi outro craque emblemático naquele América de Cali. Jogou de 1983 até 1988 nos Diablos e virou ídolo com seus gols, atuações decisivas e muita identificação com o clube. Don Willy foi artilheiro da equipe no campeonato de 1983 com 22 gols e anotou 61 gols em quase 200 jogos pelos Diablos. Atuava principalmente como ponta-de-lança, era veloz, técnico, se colocava muito bem e entortava os zagueiros rivais com seus dribles. Ele se aposentou no América de Cali aos 36 anos, em 1988.

Antony de Ávila: outra cria das bases, despontou ao lado de Alexander Escobar no time rojo para se transformar no maior artilheiro da história do clube com 208 gols em 492 jogos, além de ser o 2º atleta com mais partidas pelo América. Atacante de muita velocidade e oportunismo, Ávila teve três passagens pelos Diablos: de 1982 até 1987, 1988-1996 e 2009, para se aposentar. Ele é ainda o maior artilheiro da história do clássico vallecaucano com 19 gols, o 6º maior artilheiro da história da Libertadores com 29 gols e o 2º jogador com mais jogos na competição continental (94 partidas). Uma lenda incontestável do clube e do futebol colombiano.

Ricardo Gareca: um clássico goleador, oportunista e destacado atacante argentino nos anos 1980, Gareca chegou em 1985 ao América de Cali e já em 1986 foi o artilheiro do time no Campeonato Colombiano com 21 gols, além de ser o goleador máximo da Copa Libertadores de 1987 com 7 tentos. Ídolo da torcida, marcou gols decisivos e foi outro a gostar de marcar golaços acrobáticos. Ele é um dos 10 maiores artilheiros da história do América com 78 gols marcados em pouco mais de 140 jogos. Após pendurar as chuteiras, virou treinador com passagens de destaque pelo Talleres do final dos anos 1990, pelo Vélez Sarsfield no começo dos anos 2010 e ainda por levar a seleção peruana a uma Copa do Mundo, em 2018, após 36 anos de jejum.

Roque Alfaro: costumava jogar pelo lado esquerdo do ataque e tinha muita habilidade com a bola nos pés, além de ser importante para a construção de jogadas ofensivas. Muito importante nos títulos de 1982 e 1983, foi para o River Plate em 1983 e acabou vencendo o próprio América de Cali na final da Libertadores de 1986.

Guillermo La Rosa: o corpulento e perigoso centroavante chegou com a bagagem de ter sido artilheiro da Libertadores de 1978 e disputou 30 jogos na campanha do título nacional de 1984, anotando oito gols. Acabou perdendo espaço no time com as ascensões de Battaglia e Gareca e deixou o América em 1986.

Juan Manuel Battaglia: percebeu a quantidade de vezes que o nome Battaglia apareceu no texto? Isso mostra a importância do paraguaio na trajetória de glórias do América naquela década de 1980. Tinha uma precisão cirúrgica nos chutes, fazia lançamentos perfeitos, dava passes sob medida e criava uma série de alternativas de jogadas de ataque principalmente pelo lado direito do campo de ataque dos Diablos, ora como atacante, ora como ponta-direita. Nas bolas paradas, Battaglia também era um perigo constante e costumava anotar vários gols. Está entre os cinco maiores artilheiros da história do América com 110 gols em 353 jogos. Jogou no América de 1979 até 1988 e também pela seleção paraguaia.

Victor Lugo: jogou apenas no América na carreira, entre 1976 e 1984, atuando como meia e também mais aberto pelas pontas. Foi uma boa alternativa de ataque do técnico Uribe para muitos jogos do Campeonato Colombiano.

Hernán Herrera: chegou em 1985 ao América após uma passagem de destaque pelo Atlético Nacional e permaneceu nos Diablos até sua aposentadoria, em 1992. Atuava como meia, ajudando na criação de jogadas de ataque com sua ótima visão de jogo. Levantou quatro títulos colombianos pelo América: 1985, 1986, 1990 e 1992.

Gabriel Ochoa Uribe (Técnico): El Doctor ficou 12 anos (1979-1991) no comando do América de Cali e se transformou no mais laureado técnico da história do futebol colombiano com 13 títulos do Campeonato Colombiano, sendo 7 pelo América. Nem as derrotas na Libertadores apagaram os feitos do treinador, que soube reconstruir o time a cada ano com as contratações constantes e também as saídas de jogadores. Uribe pegou o América do zero, reconstruiu o clube e logo em 1979 já levantou o título colombiano. Dali em diante, o treinador fez do Diablo o mais forte time colombiano até pelo menos 1988 e um dos mais temidos do continente. Uribe comandou o América em 789 partidas, um recorde até hoje na história do clube. Foram 383 vitórias, 238 empates e 168 derrotas. Ele nunca escondeu que a maior frustração da carreira foi, claro, não ter vencido uma Libertadores, como disse certa vez ao jornal El Tiempo. “Em três oportunidades chegamos a instâncias muito perto de conseguir a Libertadores (pausa). É uma dívida que ficou comigo.” Leia mais sobre essa lenda clicando aqui.

 

Confira o trabalho de Emmanuel do Valle também no Flamengo Alternativo e no It’s A Goal.

 

Este texto (exceto a parte “Os Personagens”) foi publicado pelo magnífico site Trivela e cedido ao Imortais. Se você gosta de textos bem escritos e é apaixonado por futebol, ler o Trivela é quase uma obrigação. Acesse o site https://trivela.com.br/ e siga o portal no Facebook (https://www.facebook.com/sitetrivela/) e no Twitter (https://twitter.com/trivela).

 

Licença Creative Commons
O trabalho Imortais do Futebol – textos do blog de Imortais do Futebol foi licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição – NãoComercial – SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Com base no trabalho disponível em imortaisdofutebol.com.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais ao âmbito desta licença.

7 thoughts on “Esquadrão Imortal – América de Cali 1982-1987

  1. Que texto . Parabéns . Regulamento ridiculo da libertadores nos anos 80 . A partir da edição de 88 foi corrigido e alterado por essa injustiça da final de 87. O América Fez 2 x 0 no 1 jogo e perdi o 2 jogo de 2 x 1 . Campeão !! Só poderia existir o 3 jogo se o placares nós 2 jogos anteriores fossem iguais . Ainda América teve que passar por uma prorrogação. Absurdo.

  2. Ortiz é um dos meus jogadores favoritos de todos os tempos de todos os tempos. Também foi um craque imortal, o jogo dele era lúdico, jogador ESTILO (e não mesmo nível) Ronaldinho Gaúcho e Maradona

  3. Gostei muito do texto! O América de Cali foi um verdadeiro REY colombiano. Uma pena ele ter mandado tão bem na Libertadores e ter ficado no quase. O desfecho da final de 1987 foi muito cruel para os Escarlatas. Mas ainda foi um time imortal!

    Imortais, responda, por favor: vai ter texto do Atlético Nacional campeão da Libertadores de 2016?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Conteúdo protegido. Precisa de algo? Entre em contato com o autor.